Lorena Queiroz, protagonista de 'Carinha de Anjo'
Lorena Queiroz, protagonista de 'Carinha de Anjo'Foto: divulgacao

Lorena Queiroz, protagonista da novela “Carinha de Anjo”, vem ao Recife para passar uma tarde com seus fãs. Dia 16 de setembro, às 16h, no Terraço de Eventos do Shopping Recife, ela faz um pocket show, quando irá cantar, bater um papo e tirar fotos com a meninada.

Natural de Pedreira, interior de São Paulo, Lorena entrou no mundo da moda aos 4 anos, quando foi convidada a integrar o casting de uma agência de modelos. Representou sua cidade no Mini Miss São Paulo e saiu vitoriosa. Passou a fazer campanhas publicitárias e catálogos até que realizou um teste no SBT e se transformou em Dulce Maria, personagem principal de “Carinha de Anjo”, novela que foi ao ar de novembro de 2016 a junho de 2018. De maio a março deste ano, a garota, hoje aos 7, participou do musical “A Noviça Rebelde”, interpretando Marta Von Trapp.

No encontro com os fãs do Recife, Lorena cantará músicas como “Quarto Bagunçado”, “Cabine do Amor”, “Não Tenho Medo de Nada” e “Arco-Íris” em show com participação do Ballet Jeane Barbosa.

SERVIÇO
Uma Tarde com Lorena Queiroz
Dia 16 de setembro (domingo), às 16h
Terraço de Eventos do Shopping Recife
Informações: (81) 3182.8020

Ingressos – primeiro lote, até 9 de setembro:

Para o pocket show:
Cadeira especial: R$ 120 e R$ 60 (meia)
Cadeira: R$ 100 e R$ 50 (meia)

Para Meet and Greet (foto + pôster autografado): R$ 100

* À venda na Ticketfolia (quiosques nos shoppings Recife e Guararapes; estandes nas lojas Riachuelo dos shoppings RioMar, Boa Vista e Tacaruna), na bilheteria do Teatro Guararapes e no site www.eventim.com.br. Sem taxa de conveniência: Ticketfolia do Shopping Recife e bilheteria do Teatro Guararapes.

Mundo Bita Novas Descobertas
Mundo Bita Novas DescobertasFoto: Divulgacao

Os primeiros anos de vida são feitos de aprendizados. Pensando nisso, o Mundo Bita apresenta sua nova temporada de shows, dessa vez com o tema “Viva as Descobertas”. A estreia será no Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu), nos dias 22 e 23 de setembro; e os ingressos já estão à venda.

Idealizado pela Mr. Plot, as apresentações ganham músicas inéditas, novos diálogos entre os personagens e muita interação com o público, estimulando o que há de mais importante nessa fase: as descobertas em relação ao mundo.

Com cenário e repertório repaginados, o musical destaca melodias e conteúdos autorais que abordam temáticas do universo infantil, como os clássicos “Fazendinha” - que de forma criativa e educacional apresenta para as crianças o dia a dia na fazenda - e “Dinossauros” - que conta, de maneira lúdica, a história do período em que os dinossauros habitaram a Terra -. Pela primeira vez nos palcos estão “Trem das Estações”, e músicas do álbum ‘Bita e Nosso Mundo’ como “Nossa Casa” e “Tô Dodói”, que deixam os momentos de aprendizado ainda mais divertidos.

Para Chaps Melo, diretor de criação do Mundo Bita e um dos sócios da Mr. Plot, estúdio que desenvolve e produz todo o conteúdo da marca, o show surpreenderá os papais e as mamães que são ansiosos por novidades. “Temos uma apresentação totalmente nova, pensada para aquele público que já é fã do Mundo Bita e para aqueles que acabaram de chegar!”, comenta Chaps.

Durante o espetáculo, que tem cerca de uma hora e dez minutos, Bita, Tito, Dan, Lila e Flora recebem no palco alguns personagens surpresa, como a vaquinha o dinossauro e o bichinho do dodói. "O Bita aparece como personagem principal, e o restante da turminha ganha ainda mais espaço na narrativa, fazendo com que as crianças mergulhem na história", explica o roteirista João Henrique Souza.

Ao todo, são 14 hits interpretados por Flora, personagem que dá voz às canções. “As músicas do novo espetáculo foram definidas com a ajuda dos espectadores, que elegeram suas canções preferidas por meio de enquetes nas redes sociais da animação. “Xic, Xic, Xic”, que estimula os pequenos a escovar os dentes, é uma das interpretações que voltam ao show desta temporada”, conta Chaps, reforçando a importância da interação com os seguidores, essencial para estar mais perto dos fãs e estreitar um relacionamento de carinho, cumplicidade e crescimento.

Hoje, o Mundo Bita acumula mais de 2 bilhões de visualizações no Youtube em seu canal em português. Além disso, detém outro canal com conteúdo em espanhol e está presente em plataformas como Discovery Kids, Netflix, TV Brasil, Deezer e Spotify.

SERVIÇO

NOVA TEMPORADA DO SHOW DO BITA – “VIVA AS DESCOBERTAS”
Dias 22 e 23 de setembro de 2018 (Sábado e Domingo)
Horário: 17h
Local: Teatro Luiz Mendonça / Parque Dona Lindu (Av. Boa Viagem, S/N – Recife)
Informações: (81) 3132.7772
Classificação Indicativa: Livre

INGRESSOS: R$ 35,00 (Meia) | R$ 70,00 (Inteira)

PONTOS DE VENDA
Tip Top – (Shoppings Recife e RioMar)
Segunda a sábado: Das 9h às 22h | Domingo: Das 12h às 21h

Bilheteria Digital – (Shopping Plaza – Quiosque piso L3)
Segunda a sábado: Das 10h às 22h | Domingo: Das 12h às 20h

Site: www.bilheteriadigital.com/showdobitarecife

As vendas na bilheteria do Teatro só acontecerão nos dias do evento, a partir das 13h.

Mini Rock Tum Tum Pá
Mini Rock Tum Tum PáFoto: Divulgacao

Os fãs da banda infantil Mini Rock podem se animar porque vem novidade por aí. O grupo lança, no sábado, 15 de setembro, o CD Tum Tum Pá – Os Direitos da Criança Para Saber e Cantar, no terraço de eventos do Shopping Recife. O novo trabalho é fruto de um projeto desenvolvido em parceria pela Mini Rock e a Organização de Auxílio Fraterno (OAF Recife).

Tendo os direitos da criança como mote, o projeto Tum Tum Pá rendeu a gravação de um DVD, ao vivo, durante show no Teatro do Imip, em junho. O resultado obtido durante a gravação das músicas, compostas especialmente para o trabalho, e gravadas no Estúdio Carranca, ficou tão bom que o grupo resolveu lançar um CD independente, com a participação de crianças.

“As canções falam sobre os direitos mais básicos dos pequenos, os que todo mundo deve aprender. Todas as músicas têm interação e a participação das crianças e abordam o universo infantil, ao mesmo tempo em que falam da necessidade de garantirmos que esses direitos sejam respeitados”, detalha Cláudia Soul, a Cacau, vocalista da Mini Rock.

O show de lançamento no Shopping Recife levará ao palco quatro crianças. São elas: Maria Alice Salles, Isadora Monteiro, Mariana Cardozo e Vinicius Souza. Na apresentação, serão mostradas as dez músicas originais do CD, abordando, de maneira lúdica e divertida, os principais direitos da garotada.

Carro-chefe do álbum, a música Toc Toc Toc Toc desperta um carinho singular em Cacau por ter sido a primeira composta para o projeto. “Nela eu canto sobre as crianças terem direito a moradia, família e sociedade. É uma das que eu mais gosto de cantar”, confidencia.

Já Doutor Amigo aborda o direito ao acesso a saúde. “É um rock’n’roll bem rockabilly. A criançada gosta muito de dançar com ela, que fala sobre fazer uma visita ao nosso ‘doutor amigo’, o médico que nos ajuda quando estamos doentes”, explica Cacau.

Outra faixa, conta Cacau, tem um significado especial para a cantora. Tum Tum Pá, que dá nome ao projeto, foi escrita quando a vocalista tinha apenas 12 anos de idade e faz com que ela relembre com carinho essa fase de iniciação musical.

“Quando comecei a escrever as músicas, lá no comecinho do projeto, essa canção sempre vinha à minha cabeça. Engraçado que foi uma música que fiz ainda menina, quando brincava de me apresentar para a família, em casa. Sabe aquela coisa de montar um show em casa para apresentar pra todo mundo? Resgatei ela, fiz alguns pequenos ajustes e ela acabou dando nome ao CD e ao DVD”, relata a cantora.

Além das três músicas citadas, o CD traz ainda as faixas Você Sabe (você sabe que eu tenho direitos?), Toda Criança Tem Direito de Ser Criança, É Diferente Mas É Igual, Eu Sou Livre, Brincar e Estudar, Comeu e Vamos Conversar.

Cláudia Soul divide a responsabilidade de fazer rock para a garotada com Leandro Melo (guitarra), Jorge Rodrigues (baixo) e Jô Pinto (bateria e instrumentos de brinquedo). Antes de Tum Tum Pá – Os Direitos da Criança Para Saber e Cantar, a banda já lançou CD, EP e DVD com o nome da banda, e ainda o EP Mini Rock Canta Beatles.

“O disco é todo autoral e reforça esse desejo nosso de fazer rock para criança. É rock de verdade, sem nenhuma licença. O que muda são as letras das músicas, o figurino infantil. O disco ficou todo muito legal, diversificado, conseguimos fazer nos arranjos uma variação bacana de estilos do universo do rock. Ficamos muito satisfeitos e estamos doidos pra mostrar o resultado pra todo mundo!”, comenta a vocalista.

Cacau enxerga a música como uma ferramenta para desenvolver diferentes habilidades, principalmente nas crianças. “A música é uma facilitadora. Se você tem alguma dificuldade de relacionamento ou aprendizado, por exemplo, ou vontade de expressar um sentimento, tudo pode ser feito através da música. A criança tem essa maior necessidade de extravasar o que sente e a música flui bem nesse sentido. Considero educação musical para crianças imprescindível”, diz.

Para ela, a participação da garotada no estúdio e no palco é essencial. “A gente sempre se preocupou com a presença infantil nos nossos projetos porque o rock é uma música adulta, então é preciso ter essa referência para criar uma mistura legal de identificação. Para eles, é tudo uma grande brincadeira”, encerra Cacau.

Os ingressos para o show de lançamento do álbum Tum Tum Pá – Os Direitos da Criança Para Saber e Cantar custam a partir de R$ 25 e estão sendo vendidos pelo site da Eventim e em quiosques do Ticket Folia. Crianças de até dois anos de idade têm entrada franca.

SERVIÇO
Show de lançamento do CD Tum Tum Pá – Os Direitos da Criança para Saber e Cantar, da banda Mini Rock – Sábado (15/9), às 16h, no terraço de eventos do Shopping Recife (Rua Padre Carapuceiro, 777, Boa Viagem). Ingressos: R$ 25 (meia-entrada), R$ 50 (adulto) e R$ 120 (pacote família: 2 adultos + 2 crianças). Crianças de até 2 anos não pagam. À venda no www.eventim.com.br, na Bilheteria do Teatro Guararapes, quiosque do Ticket Folia dos Shoppings Recife e Guararapes e stand do Ticket Folia nas lojas Riachuelo dos Shoppings Boa Vista, Tacaruna e RioMar.

FICHA TÉCNICA - CD TUM TUM PÁ

Argumento – Ana Areias

Músicas - Autoria: Cláudia Soul / Arranjos: Mini Rock

01 – VOCÊ SABE (você sabe que eu tenho direitos?)
02 – TODA CRIANÇA TEM DIREITO DE SER CRIANÇA (Toda criança tem direito ao esporte e lazer)
03 – TOC TOC TOC TOC (Toda criança tem direito à moradia, família e sociedade)
04 – É DIFERENTE, MAS É IGUAL (Todas as crianças são iguais e têm os mesmos direitos, não importa sua cor, raça, sexo, religião, origem social ou nacionalidade)
05 – EU SOU LIVRE (Toda criança tem direito à liberdade)
06 – DOUTOR AMIGO (Toda criança tem direito à Saúde)
07 – BRINCAR E ESTUDAR (Toda Criança tem direito à Educação)
08 – COMEU (Toda criança tem direito à alimentação)
09 – VAMOS CONVERSAR (Toda criança deve ser protegida da violência doméstica)
10 – TUM TUM PÁ (Toda criança tem direito à cultura)

Banda Mini Rock
Cláudia Soul (Cacau) – voz principal e vocais / instrumentos de brinquedo
Leandro Melo - guitarra
Jorge Rodrigues - baixo
Jô Pinto – bateria / instrumentos de brinquedo

Crianças
Alice Areias
Isadora Monteiro Peixoto
Luíza Areias
Maria Alice Salles
Mariana Cardozo
Vinícius Souza

Direção de Arte e Desenhos
Sofia Lobo
Produção Executiva
Carla Navarro

Este CD foi gravado no Estúdio Carranca – Recife/PE em Março de 2018
Bruno Lins – técnico de gravação
Vinícius Aquino – mixagem e masterização

Trupe Circus na EPC
Trupe Circus na EPCFoto: Divulgacao

A Escola Pernambucana de Circo celebra seus 22 anos de existência com muitas atrações, no próximo domingo (2), às 15h. A data será marcada com o projeto Domingo Alegre no Circo, de atividades culturais variadas, que acontece na sede da Escola, bairro da Macaxeira, com entrada gratuita, aberto ao público.

A programação conta com performances dos artistas da Trupe Circus, apresentando número de pirâmides, e ainda convidados muito especiais trazendo dança, pirofagia, palhaçaria e, o tradicional bingo. A pirofagia fica a cargo do Coletivo Bartira; As palhaças Bruníssima e Crécia apresentam a esquete O Caçador; os palhaços Sem Nome e Carambola divertem o público apresentando O Apito e O Vidente. A integrante da Trupe Circus, Amanda Portela, apresenta um número de Dança do Ventre Fusion, e traz os convidados Alê Carvalho, com a Dança Tribunal Fusion, e Jadson Gomes, com a Dança do Ventre.

Sobre a EPC - A Escola Pernambucana de Circo (EPC) surgiu em 1996 com a missão de promover a inclusão de crianças, adolescentes e jovens das classes populares por meio das artes, especificamente o circo, fortalecendo a identidade cultural, o vínculo social e os valores da cidadania. A Escola possui um trabalho consolidado de atendimento a mais de 100 crianças, adolescentes e jovens.

Serviço:
Domingo Alegre no Circo
Domingo, 02 de setembro, 15h
Entrada Gratuita
Sede da EPC: Av. José Américo de Almeida, N. 05, Macaxeira - CEP: 52090-320
Fone: (81) 3266.0050 / 3034.3127

Tardes no Jardim
Tardes no JardimFoto: Divulgação

O uso da tecnologia vem transformando o nosso dia a dia e causando impacto, inclusive, no modo de agir e de brincar das crianças. As brincadeiras tradicionais ao ar livre foram perdendo espaço entre as novas gerações. Para resgatá-las, o Plaza Shopping promove, nos dias 15, 16, 22 e 23 de setembro, no jardim do piso L2, as Tardes no Jardim. Os ingressos devem ser comprados antecipadamente na Bilheteria Digital online (www.bilheteriadigital.com/tardesnojardim) ou na loja deles no piso L3 do centro de compras.

O jardim será decorado de forma lúdica para que as crianças possam entrar no clima de piquenique e muita diversão. O espaço será dividido em dois ambientes. No primeiro, serão realizadas brincadeiras e recreação educativa em que as crianças de 3 a 10 anos aprenderão brincando. Todas terão uma hora para ficar no espaço com diversas atividades. Será possível aprender a importância de uma boa alimentação, entender melhor as Formas Geométricas; descobrir as Profissões; trabalhar em equipe com os Números, Vogais, Consoantes e as Cores; e aprender noções de Educação para o Trânsito.

Também será possível aprender a relação entre imagem e texto ou encontrar figuras que correspondam à descrição no Significado das Coisas; e as Partes do Corpo Humano usando a construção de palavras. Depois das brincadeiras, as crianças serão direcionadas para o segundo espaço, onde poderão brincar na área de recreação, assim como fazer um piquenique com os acompanhantes.

INGRESSOS ANTECIPADOS - Cada tíquete custa R$30,00 e dá direito a entrada de uma criança e um adulto acompanhante, além de um kit lanche. Também haverá ingressos avulsos para adultos pelo valor de R$ 5,00. Serão três sessões por dia de evento (15h30, 16h30 e 17h30), cada uma com uma hora de duração. Os ingressos são limitados. Todas as atividades são realizadas em parceria com A Caixa Eventos, especialista em entretenimento para eventos infantis, e contam com o apoio da Capricche e da Palmeiron.

SERVIÇO:
Tardes no Jardim
Dias 15, 16, 22 e 23 de setembro. (Três sessões por dia de evento: 15h30, 16h30 e 17h30), cada uma com uma hora de duração
Local: No jardim do piso L2 do Plaza Shopping
Faixa etária: crianças de 3 a 10 anos
Ingressos: R$ 30,00 (Criança + Adulto + Kit lanche). Aquisição antecipada na Bilheteria Digital (loja do Piso L3 do Plaza Shopping) ou no www.bilheteriadigital.com/tardesnojardim

animação infantil Além da lenda
animação infantil Além da lendaFoto: divulgação

Depois do sucesso da exibição na TV Brasil, a turminha da série de animação Além da lenda, produzida pela Viu Cine, desembarca no mundo fantástico da literatura. Comadre Fulozinha, Curupira e Negrinho do Pastoreio comandam as aventuras dos principais personagens do folclore nacional no livro Além da lenda, que será lançado na próxima terça-feira (28), no Espaço TODO GONZAGA, no Museu Cais do Sertão, às 15h, no Bairro do Recife.

A obra, que conta com ilustraçõ es de Jacqueline Lima e edição da Viu Marcas, explora com bom humor as histórias por trás de cada lenda brasileira e as atualiza para os jovens que, imersos num mundo de tecnologia, desconhecem os elementos da oralidade e tradição nacional.

A história mescla aventura e suspense. Pedro Pirueta, lenda responsável por cuidar das brincadeiras de rua, desapareceu e foi parar no mundo do Além da lenda, onde ficam aquelas criaturas que caíram no esquecimento. Com isso, Comadre Fulozinha, Curupira e Negrinho vão colhendo pistas em meio a floresta para descobrir quem foi esta lenda. As dicas vão levando os três parceiros a outras lendas famosas, como Cuca, Iara e Boitatá, que, aos poucos e com a ajuda do leitor, vão apresentando quem foi Pedro Pirueta.< /p>

Ao final de cada capítulo, o público ajuda na caçada em busca da lenda desaparecida pintando e escrevendo as pistas deixadas pelas famosas criaturas. O livro permite que o leitor desvende enigmas, resolva desafios, aprenda e relembre brincadeiras clássicas e crie as suas próprias brincadeiras.

O livro Além da lenda, inspirado na série e filme com o mesmo nome, tem a autoria de Bruno Antônio, Erickson Marinho e Ulisses Brandão. As ilustrações são de Jacqueline Lima. “A nossa proposta foi dar esse ar mais lúdico e interativo na obra, buscando aproximar ainda mais o público da história das lendas brasileiras”, explicou Ulisses Brandão, um dos autores do livro.

Além do livro, o público também poderá conferir o lançamento do vídeo de segurança do Museu Cais do Sertão, que foi produzido pela Viu Cine e estrelado pela turminha da série Além da lenda. Essa parceria foi possível graças ao processo de licenciamento de marcas. “Estamos ampliando ainda mais a prática do licenciamento de marcas, que fortalece o desempenho do produto ou serviço no mercado e ganha valor quando associado à imagem de projeto de sucesso, como o Além da lenda ”, explica Tereza Farias, diretora-executiva da Viu Marcas.

SÉRIE E FILME

O livro é inspirado na série e no filme. A série de animação pernambucana Além da lenda, produzida pela Viu Cine, retrata com humor e aventura uma crise existencial dos principais personagens do folclore brasileiro. A Cuca já não assusta mais a criança que não dorme no horário determinado. Boto, antes um irresistível sedutor, amarga a incapacidade de conquistar as pessoas. Preocupados com a possibilidade do desaparecimento e com a falta de credibilidade diante das crianças, eles vão recorrer a um terapeuta – o personagem Sr. H. A primeira temporada da série conta com 13 episódios de 07 minutos e foi exibida, TV Brasil.

No cinema, Comadre Fulozinha, uma das mais famosas lendas do folclore brasileiro, comanda as aventuras destas criaturas fantásticas no primeiro longa de animação produzido em Pernambuco. O filme conta uma história de resistência e aventura das lendas. O Livro Sagrado das Lendas Brasileiras está em perigo. A obra, que só pode ser lida no dia de aniversário do Saci Pererê, foi perdido pelo Negrinho do Pastoreio e caiu nas mãos de um garoto. Influenciado pela cultura pop, o menino começa a realizar alterações na essência das lendas, adaptando de acordo com o próprio gosto e os valores dos super-heróis. Diante desse quadro, Comadre Fulozinha vai se juntar ao Negrinho do Pastoreio e ao Curupira para recuperar o livro e evitar que ele seja capturado pela Gata-Bruxa Witchika, o espantalho Jerry Moon e o espectro Midnight, figuras estrangeiras.

SERVIÇO
LANÇAMENTO DO LIVRO ALÉM DA LENDA
Terça-feira, 28 de agosto de 2018.
15h
Espaço TODO GONZAGA, no Museu Cais do Sertão.
112 Páginas.
Valor do livro: R$ 30,00
Entrada no museu é gratuita.

Circo da Turma da Monica
Circo da Turma da MonicaFoto: divulgacao

Maior espetáculo já produzido nos estúdios da Mauricio de Sousa Produções, “Circo da Turma da Mônica – O Primeiro Circo do Novo Mundo” já tem data para estrear no Recife: dias 15 e 16 de setembro, no Teatro RioMar, com quatro sessões. Os ingressos, a partir de R$ 25, já estão à venda (serviço abaixo).

Sucesso de público e crítica, o espetáculo tem supervisão geral de Mauricio de Sousa e participação mais que especial do eterno trapalhão Dedé Santana como mestre de cerimônia, além de Rodrigo Robleño, reconhecido internacionalmente por seu trabalho no espetáculo “Varekai”, do Circo Du Soleil. O “Circo da Turma da Mônica – O Primeiro Circo do Novo Mundo” encantou e surpreendeu o público em São Paulo pela sua grandiosidade e interação com a plateia.

Quem está à frente como produtor e diretor geral é Mauro Sousa, que lidera a Mauricio de Sousa Ao Vivo, responsável por transformar as histórias em quadrinhos em experiências lúdicas, educativas e culturais. “É uma honra e uma grande responsabilidade trocar experiências e dirigir pessoas como Dedé Santana e Rodrigo Robleño, além de um brilhante time de elenco e bailarinos. Recebemos na primeira temporada em São Paulo mais de 12 mil pessoas e isso significa que o espetáculo está cumprindo o seu papel de entreter e emocionar, que são características intrínsecas da Turma da Mônica”, afirma Mauro Sousa.

“Temos muito orgulho em apoiar essa produção genuinamente brasileira, que circulará por tantas cidades do país. O musical é um programa voltado a toda família, uma excelente oportunidade para os pais levarem os filhos para conhecer o resultado dessa parceria tão especial entre Mauricio de Sousa e Dedé Santana, que transcende gerações”, diz Ângela Beatriz de Assis, diretora Comercial e de Marketing da Brasilprev, empresa patrocinadora do espetáculo.

O “Circo Turma da Mônica – O Primeiro Circo do Novo Mundo” é apresentado pelo Ministério da Cultura e pela Brasilprev e tem como realização a Mauricio de Sousa Ao Vivo e a Opus Promoções.


Ficha Técnica:
Supervisão Geral: MAURICIO DE SOUSA
Direção e Produção Geral: MAURO SOUSA
Direção Musical: MARCELO SOUSA
História Original: Christiano Metri, Rafael Barioni e Karina Imoto
Realização: MAURICIO DE SOUSA PRODUÇÕES e OPUS PROMOÇÕES
Roteiro Adaptado: PEDRO CAMERON e MAURICIO DE SOUSA PRODUÇÕES
Participações Especiais: DEDÉ SANTANA (Mestre de Cerimônias) e RODRIGO ROBLEÑO (O Palhaço)
Apresentado por: MINISTÉRIO DA CULTURA e BRASILPREV



SERVIÇO
“Circo Turma da Mônica – O Primeiro Circo do Novo Mundo”
Dia 15 de setembro (sábado), às 17h e 20h
Dia 16 de setembro (domingo), às 11h e 16h
Teatro RioMar: Av. República do Líbano, 251, 4º piso – RioMar Shopping
www.teatroriomarrecife.com.br


Ingressos:
Plateia Premium: R$ 140 (inteira) e R$ 70 (meia)
Plateia Baixa Lateral: R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia)
Plateia Alta: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia)
Balcão Nobre: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

*Canais de vendas oficiais: bilheteria do Teatro RioMar Recife (terça a sábado, das 12h às 21h, domingos e feriados, das 14h às 20h) e www.uhuu.com.


Duração: 1h20 (com 15 minutos de intervalo)
Classificação: livre

Baby Kids Week
Baby Kids WeekFoto: divulgação

A fotógrafa Andréa Leal vai levar palestras gratuitas sobre o universo materno, infantil e familiar para o Shopping Recife. Em seu estande, na segunda edição da Baby Kids Week, ela vai receber especialistas como médicos, doulas, artistas, jornalistas, fotógrafos e outros profissionais, para uma série de bate-papos com temas de grande interesse do público alvo do evento. Entre os convidados, a cantora e contadora de histórias Carol Levy, o obstetra Thiago Saraiva e a doula Mari Bahia.

A feira acontece de 17 a 19 de agosto, no estande de Andréa Leal, as conversas vão acontecer todos os dias, às 16h, 18h e 20h, com exceção do sábado, quando será realizada um bate-papo a mais, às 17h. A ideia é proporcionar um momento de troca sobre temas importantes para as famílias.

No stand, a fotógrafa e sua equipe também estarão apresentando todos os pacotes de fotografia de família que oferece, além de um pacote especial oferecido às famílias que fecharem contrato na feira e que engloba três ensaios fotográficos: Caixinha de Surpresa (gestante), Chegando no Pedaço (parto) e Presentinho do Céu (Newborn), com uma embalagem e preços também especiais.

Além disso, espalhada pelos corredores de toda a Babu Kids estará montada uma exposição com 30 quadros de ensaios newborn de Andréa Leal.

Confira o calendário e os temas das palestras:

SEXTA - 17/08

16h - A Magnitude da Amamentação, com a doula Vivienne Pires;
18h - A Importância de Contar Histórias para Crianças com Carol Levy;
20h - A Dimensão da Presença Paterna, com André Britto, ator e empreendedor

SÁBADO - 18/08

16h - Família x tecnologia: os novos desafios e estratégias para conseguir equilíbrio emocional, com a jornalista Cláudia Bettini, do site Corujices e Eduarda Morais, terapeuta Tethahealing e Mindfulness;
17h - A Materialização da Fotografia, com o fotógrafo Gustavo Bettini;
18h - Mitos e verdades sobre o parto normal, com a doula Mari Bahia;
20 h - Eternizar momentos, com o músico Juliano Ribeiro;

DOMINGO - 19/08

16h - O reencontro consigo mesma e com a profissão após a maternidade, com a jornalista Sílvia Bessa;
18h - O Puerpério e seus Desafios, com o obstetra Dr Thiago Saraiva;
20h - Fotografia como memória afetiva, com a pedagoga Mariana Lindoso, do blog Turma da Tia Mari.

Os ingressos da Baby Kids Week custam R$10 (meia-entrada), R$20 (inteira) ou R$15 + 1kg de alimento (revertidos para uma instituição de caridade), à venda no local durante o evento. Mais de 70 fornecedores ocuparão uma área de 1200m2 com os mais diversos serviços como buffets infantis, decoração, fotografia, lembrancinhas, convites, fantasias, animações de festas, brinquedos e mais.

meu pai, meu herói
meu pai, meu heróiFoto: Andrea Leal Fotografia / Divulgação

Nesta sexta-feira (10/08), às vésperas do Dia dos Pais, tem início uma exposição fotográfica gratuita que retrata histórias de paternidade emocionantes. O objetivo da mostra Meu Pai, Meu Herói, da fotógrafa Andréa Leal, é estimular a presença dos pais na vida dos filhos e mostrar que todo homem comum ganha superpoderes quando decide assumir este papel tão importante de maneira afetiva e verdadeira.

Com interação e acessibilidade, por meio de um aplicativo de realidade aumentada, diante de casa retrato é exibido o depoimento em vídeo de cada um dos 14 personagens.

A abertura da exposição está marcada para as 16h desta sexta-feira (10/10), na Livraria da Praça de Casa Forte, com um chá da tarde para convidados e as famílias dos personagens. Em seguida, às 18h, uma apresentação de chorinho, com Beto Bandolim, vai abrir a mostra ao público em geral. A exposição ficará em cartaz no casarão da Praça de Casa Forte, até o dia 31 de agosto.
Para Andréa Leal, idealizadora do projeto, existe um momento na vida do filho que ele vê o pai como um verdadeiro herói. Uma figura que protege dos perigos, encoraja a desafiar seus medos, atende aos seus chamados de emergência, salva o seu mundo. Superpoderes especiais que o homem comum ganha não quando veste uma capa, mas quando entende o real sentido, o propósito da paternidade e não foge à responsabilidade. Pensando em homenagear esses heróis anônimos e estimular essa presença efetiva dos pais na vida dos filhos, a fotógrafa realiza a mostra, que é pano de fundo para a aparição desses homens comuns que se transformaram em verdadeiros heróis para estar mais tempo ao lado de seus filhos, para formar cidadãos do bem, para lutar em defesa de sua vida, de seu bem-estar, de sua felicidade.

Com a curadoria do jornalista Fernando Alvarenga, pai e criador do blog “Pai de Verdade”, Andréa fotografou 14 pais para mostrar os poderes que adquiriram com a paternidade assumida e vivenciada no dia a dia.

Os personagens, cada um a sua maneira, têm uma história para contar de como conseguiram reinventar seu papel de pai e de que maneira encontraram o seu modo de viver a paternidade de forma plena e feliz. Entre os relatos, muitas histórias marcantes como a de um pai fez o parto do filho em casa, orientado pelo telefone por outro pai, um bombeiro militar, outro que luta para que seu filho com microcefalia vença o preconceito, enquanto a maioria dos bebês que nasceram com a síndrome foram abandonados pelos pais e um pai que encabeçou uma campanha pelo tratamento do filho, acometido por uma doença genética grave.

Conheça os personagens:

O dia 21 de julho de 2017 uniu para sempre as histórias de três pais: Anderson, o major Barros, o sargento Gonçalves e o cabo Marques. No início da manhã, o major recebe uma ligação. Um avô desesperado pedia ajuda do Corpo de Bombeiros para transportar a nora, em trabalho de parto, para a maternidade. A viatura foi acionada, mas o parto já estava muito avançado e era preciso agir com urgência. Com décadas de corporação, o oficial experiente pediu para falar com a pessoa que estivesse mais calma ao lado da gestante: era o pai da criança, Anderson Nascimento da Silva, de 31 anos. Pelo telefone, o major orientou o passo-a-passo: amparar a criança, desobstruir as vias respiratórias, amarrar o cordão umbilical, aquecer o recém-nascido. Quando a equipe chegou, Arthur já havia nascido, mãe e filho passavam bem e foram levados para a unidade de saúde,fora de risco, onde foi cortado o cordão umbilical. “Nesse momento, desabei. Foi uma experiência muito forte pra mim, principalmente depois que fui pai. Também foi a primeira vez que orientei um parto. Quando ouvi o choro do bebê e percebi que ele estava salvo, foi uma felicidade imensa!”, lembra, emocionado. “Já comecei sendo pai aprendendo que posso ser muitas coisas, inclusive parteiro”, completa Anderson.

Tão forte quanto a informação de que centenas de crianças foram acometidas pelo Síndrome Congênita do Vírus Zika em Pernambuco é o resultado de pesquisas que mostram que a grande maioria dos pais as abandonaram após o nascimento. Mohab Henrique, é uma exceção. Pai de Bernardo, de dois anos e meio, portador da síndrome e de Mohany, de 5 anos, ele acorda todos os dias com a missão de mostrar à sociedade que o filho é normal e que a deficiência está no preconceito. Diz que depende mais de Bernardo que Bernardo dele e que ser pai, desde a primeira filha, foi a maior experiência do mundo. Para ele, o verdadeiro herói protege e quando tornou-se pai ganhou fé, dedicação, respeito e paciência para aguardar o filho se desenvolver no tempo dele. “Enquanto ele não puder andar, vou andar por ele, enquanto não puder falar, vou falar por ele. Tem muitos pais que não querem enxergar essa responsabilidade, mas estão perdendo muito”, atesta. Na pele, fez quatro tatuagens em homenagem aos filhos, mas garante que nenhuma marca é tão importante quanto a que eles deixaram dentro dele.
Empreendedor social, idealizador do movimento Novo Jeito, da plataforma Transforma Recife, do Porto Social e da 1º Rede de Empreendedores Sociais no Brasil, Fábio Silva não é um pai comum. Ser gente, ter uma vida comprometida com as pessoas mais humildes estão entre os principais ensinamentos que dá às filhas Sofia, 10 e Nina, 7 anos. Filho de pais separados, aos 40 anos não quer ser visto por elas como um herói, mas como um igual. “Quero que elas saibam que vou errar e elas vão me perdoar e que elas também vão errar e que vou perdoá-las e vamos viver em família”. Para ele, ser pai é ter um time, é a coisa mais maravilhosa na vida. “Imagina a vida sem tomar banho de chuva, passar o dedo no bolo. Quando vi minhas filhas pela primeira vez pensei: começou a vida”.

Modesto, o cientista da computação Gabriel Fernandes, de 37 anos, titubeia ao responder que poderes adquiriu com a paternidade. A esposa Taciana dispara emocionada: “ele aprendeu a salvar a vida de uma pessoa”. O caçula Daniel sofre de uma doença genética grave, a atrofia muscular espinhal. O diagnóstico, os dias de UTI, as emergências vividas em casa, são exemplos da luta deste pai que, ao lado da família, realizou a campanha @amedaniel na internet e arrecadou R$ 960 mil para custear o tratamento e conquistou na Justiça o direito do plano de saúde arcar com a compra dos medicamentos, avaliados em R$ 3 milhões apenas no primeiro ano de terapia. Pai também de Joaquim, de 5 anos, acredita, na verdade, que o superpoder que aprendeu com os dois foi o de distinguir o que realmente importa na vida. O que mais quer ensinar a eles é que tudo é possível alcançar. Hoje, sua maior dificuldade está em responder perguntas difíceis, como porque algumas pessoas moram na calçada. “Ser pai é a verdadeira segunda chance que você tem na vida. O maior caminho sem volta é ter um filho. É construir uma base sólida para poder trazer alguém ao mundo que possa mudar tudo isso”.

No dia em que completou 36 anos, o empresário Jéfter Campos teve a certeza de um presente garantido até o final da vida: a filha Elis, que nasceu na mesma data. “Ela é a bússola que me guia, me dá a direção para ser o que sou enquanto homem, pai, trabalhador “. No pacote vieram várias transformações: uma resistência antes inimaginável para acompanhar firme 22 horas de trabalho de parto, noites insones nos primeiros dias de vida, para não enxergar problemas como obstáculos e para estar 100% disponível para o outro. O homem que sempre viu o próprio pai como seu grande herói, aprendeu a importância de respeitar que todo herói tem sua fraqueza. “Sou cheio de criptonitas que me causam medo, como a violência, o tipo de preconceito que ela vai enfrentar e se vai tirar de letra como eu. Pra mim, o pai herói foge da curva do que é o patriarcado. Você se desdobra para dar o melhor e, às vezes, o melhor é apenas estar presente. Espero que ela se orgulhe de ter um pai que fez o seu melhor”.

Simbiose. É como o corretor de 56 anos, Ricardo Furquim descreve sua relação com o caçula dos cinco filhos. Também é a sensação visual que passa quando passeia pelas ruas da cidade levando Álvaro nas costas. Pai experiente e cuidadoso, sempre fez questão que os filhos praticassem Yoga e de preparar para todos eles a mesma receita de iogurte que aprendeu há 40 anos. Acredita que a paternidade é a experiência mais transformadora, mais humana que teve e que vem se tornando ainda mais intensa a cada filho que nasce. “A gente se torna mais gente que nunca”, define. É pai de Vítor, de 28 anos, que mora em San Diego; Brunna, de 26 anos, que trabalha nas Forças Armadas dos EUA ; Thiago, de 24 anos, que mora em Nova Iorque; Pedro Felipe, que estuda Medicina em São Paulo e Álvaro, de dois amos, 8 meses e 22 dias, como faz questão de contabilizar .

Quando perdeu o pai, vítima de um enfarte fulminante, o mais difícil para Gustavo Pessoas foi o momento do sepultamento, quando cada pessoa lhe contava um motivo para agradecer ao seu pai. “Tive a certeza da grandeza do meu pai, do que ele deixou pra mim”. Na missa de 7º dia lotada, um primo lhe disse : “Se quiser ser um homem na vida, siga só o que seu pai fez”. “Quero ser metade do que ele foi e deixar para meus filhos, independente de dinheiro, bens, quero ser exemplo. Quero que eles saibam que não fiz nada melhor na vida do que isso”. Aos 36 anos, o professor e palestrante é pai de Daniel, 7 anos e de Alice, 4 anos. Com medo de sangue, conseguiu assistir aos partos; se antes não carregava bebês com menos de seis meses de vida, levou o primogênito para a mãe dar de mamar horas após nascer. “É um desafio diário e no outro dia tem que começar tudo de novo. A gente vai superando e vai vivendo. Se eu perdesse esses momentos eles não iriam acontecer de novo”, enfatiza. As lições estão sendo dadas. Quando o primogênito tinha 6 anos e pediu um videogame, o pai sugeriu que ele escrevesse um e-book para pagar o brinquedo. O “livro dos Porquês” vendeu 280 unidades. A renda foi suficiente para comprar o PSP, óculos de realidade virtual, sushi no jantar e ainda deu para guardar na poupança e comprar livros que serão doados a um orfanato.

Quando descobriu que ia ser pai, o músico Ricardo Chacon sabia que estava perdendo o pai, doente. O avô morreu quando Lis tinha 4 meses de vida. “Não tive tempo de ficar triste. Eu estava chorando, olhava para a minha filha e ela sorria”, lembra. Com shows e ensaios à noite, o músico de 40 anos assume os cuidados com a bebê diariamente às 5h30, quando a esposa sai para o trabalho. Optaram por não terem babá, por não terceirizarem o cuidado. Banho, alimentação, passeios, brincadeiras fazem parte da rotina dos dois. Quando a mãe precisou passar dois dias no Rio de Janeiro para prestar concurso, acordou com uma mensagem no celular com uma foto do parto. “No nosso primeiro encontro, eu chorei muito de emoção e coloquei as mãos no rosto”. Na legenda, a frase: “Lembre-se sempre deste momento”. Para Ricardo, a paternidade teve o poder de cura. “Antes achava que tinha todo o tempo do mundo e achava que não podia fazer nada. Hoje, com pouco tempo, faço muito mais coisas. Faço tudo por ela, ela me dá força para fazer mais. Meu pai foi muito presente, mas muitos homens não trazem isso do pai. Os homens são vítimas de outros homens. Cabe a nós quebrar isso. Com Lis me tornei mais humano, mais cuidadoso, talvez tenha ficado até mais feminista. O mundo é dela”, avisa.

Ao escutar o coração de Clarice pela primeira vez, Geraldo Lélis sentiu-se pai. Ansiava por este sinal de vida. Era um momento sonhado desde a adolescência. No dia do parto, pegou a filha nos braços, mas o momento era de euforia. “No dia seguinte, fiquei só com ela e a gente conversou pela primeira vez. Disse que ela estava passando por um momento de transição, que ela ficasse tranquila e que iria estar junto dela para sempre. É meu esforço diário”, garante o jornalista de 32 anos, que não se vê como um herói. “Nossos poderes estão na cabeça das crianças. De acordo com a reação dela me sinto mais forte, sinto o poder de acalmá-la. Às vezes ,sem precisar falar nada, apenas com a presença. Me sinto, encorajador, presente para tudo que ela precisar, explicando, alertando, ensinando”. Quer que Clarice, hoje com 2 anos, o veja sempre como amigo inseparável, como um porto seguro, um lugar onde ela pode se acalmar, ganhar confiança, se segurar na horas de turbulências, sempre quando quiser.

Mauro é o segundo filho de Rodrigo Moura, funcionário público de 29 anos. Ele e a esposa perderam o primeiro bebê. A segunda gravidez foi desejada, planejada, comemorada. Em meio ao primeiro trimestre da gravidez, o que parecia sintoma de alergia era na verdade a manifestação do Zika vírus. O diagnóstico de que o filho nasceria com microcefalia foi chocante. “Estava destruído por dentro, mas tinha que dar forças para minha esposa”. Após uma semana em estado de choque e sem aceitação, Isadora descobriu no apoio de Rodrigo que o amor por um filho vai muito além da doença. “A gente tem que viver cada dia. Não penso nos desafios”, ensina o pai. Já passaram por muitos, entre eles as sucessivas crises convulsivas que chegaram a 160 episódios diários, o choro constante, tudo controlado após um ano e muitas trocas de medicações. Hoje, orgulha-se quando ouve o filho chamá-lo de “pa”. “Qualquer ganho é motivo de felicidade. Todo mundo tem a sua deficiência”, ensina aos pais que optaram por não viverem ao lado dos seus filhos especiais: “Dificilmente a pessoa não se arrepende. Meu conselho é: se deixem levar pela paternidade. A força vem deles”.

João Paulo Farias tem 39 anos e ainda não é pai, biológico. Mas tem cerca de 50 filhos, de praticamente todas as faixas etária: crianças, adolescentes, jovens e adultos. Pastor, formado em teologia, publicidade e comunicação social, não foi indiferente à realidade da comunidade carente vizinha ao local de trabalho. Há dois anos concebeu o projeto Aurora, que ensina basquete como forma de tirar a comunidade das drogas, da violência, por meio da mudança de postura, valorização e autoestima. Para ser exemplo aos filhos que reúne, resolveu perder peso e não ser apenas o técnico do esporte praticado na infância e voltar às quadras em ótima forma. Em um dos momentos mais emocionantes, lembra de ver a arquibancada repleta de seus alunos torcendo por ele na primeira partida. Enumera histórias de superação como a de um aluno que nasceu com uma deformidade em um dos braços, mas desenvolveu o membro tão bem que supera os adversários com mobilidade normal ou a de outro atleta subnutrido e de estatura pequena que se agiganta na partida e supera a performance de jogadores mais velhos e mais altos e fortes. O comportamento social, o emocional também mudaram graças à entrega deste pai, que este ano espera encomendar o primeiro rebento biológico, após 10 anos de casamento.

O repórter Everson Teixeira, 32 anos, sempre quis ser pai cedo. Tornou-se o pai de Ian aos 23 anos, mas aos 17 conheceu o enteado Rafael, de 4 anos de idade. Começava seu aprendizado na função que mais ama: a paternidade. “Era um estágio sem chance de errar”, enfatiza. Sempre fez questão de manter a referência do pai, mas preocupou-se ser exemplo no cotidiano, no aprendizado diário. Quando era criança, achava que seu pai era um herói: forte, não adoecia. Hoje, pensa que tem o superpoder da onipresença, por se esforçar para ser presente em tudo. Também sente que ser pai o deixou mais sonhador, porém com mais força para transformar esses desejos em realidade.
Leonardo Ximenes Júnior, de 42 anos, músico, administrador de empresas e pai de Caio, de 9 anos, com quem confessa muitos pontos em comum: a teimosia, o gosto pela leitura, pelo super heróis. Acredita que a paciência é o superpoder que adquiriu com a paternidade. Para ele, ser pai é uma autodescoberta o tempo todo. Ansioso pela chegada do filho, conversava com a barriga da esposa Isly enquanto ela dormia, e já sentia esse diálogo começando entre os dois. ” Você vai se expandindo, se misturando no outro. É incrível”.

Sobre Fernando Alvarenga:
Pai de Valentina, lançou o @paideverdade quando a esposa estava grávida. Queixava-se que ela sempre encontrou facilmente informações sobre a maternidade, mas achava que o universo masculino não era contemplado na hora de encontrar esse tipo de conteúdo. Decidiu compartilhar suas experiências de pai com cuidado e responsabilidade, usando o bom senso para compartilhar as vivências com o filho sob o olhar paterno. “Ser pai é poder estar presente em todos os momentos possíveis, ajudando o filho a escolher o caminho para ele”.

Sobre Andréa Leal:
Piauiense de nascimento e pernambucana de coração, a fotógrafa Andréa Leal se especializou em fotografia de família para captar e eternizar o sentimento presente na atmosfera da gestação, partos, dos primeiros dias de vida dos bebês, em casa com a família, quando estão sendo construídos os laços que durarão para sempre.
Descobriu o amor pela fotografia ao registar os filhos. Em 2013 começou a fotografar profissionalmente. Em 2015 abriu o primeiro estúdio e em 2017 inaugurou sua nova casa, um espaço totalmente planejado e de alta tecnologia considerado por Leo Saldanha, publisher Fhox, principal revista voltada ao ramo fotográfico brasileiro, um dos melhores estúdios do Brasil.
Embaixadora da Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos (ABFRN), única representante do Norte/Nordeste da Professional Photographers of América (PPA), única fotógrafa do Norte/Nordeste membro da Associação Profissional de Fotógrafos de Recém-nascidos (APNPI), única representante de Pernambuco membro da International Newborn Photography Association (INPA), membro da Associação Nacional de Fotógrafos Profissionais de Criança (NAPCP) e da Baby and Newborn Photography Association (ANPAS), Andréa fundou e preside a Associação Nordestina de Fotógrafos de Família (ANFF).

A Bela e A Fera In Concert
A Bela e A Fera In ConcertFoto: Carlos Pasko/Divulgação

“A Bela e a Fera In Concert” é um musical grandioso, e será apresentado pela primeira vez acompanhado ao vivo por uma orquestra. A apresentação, inédita no Nordeste, ganhou nova data após adiamento devido à greve dos caminhoneiros, em junho – e acontecerá em 18 de agosto, às 17h, no Teatro Guararapes, com ingressos a partir de R$ 42.

Com trilha sonora inconfundível, “A Bela e a Fera In Concert” traz em seu elenco mais de 30 integrantes, entre atores, bailarinos, cantores e músicos, sob a regência do maestro Eduardo Pereira.

Um dos maiores sucessos de animação da Disney, o filme de 1991, baseado em conto francês de quase 300 anos, teve várias versões no cinema (a mais recente em 2017, protagonizada por Emma Watson) e se transformou em exitoso musical da Broadway.

O roteiro fala sobre Bela, jovem que decide entregar sua vida à Fera em troca da liberdade de seu pai. No castelo, ela conhece objetos mágicos e descobre que aquele estranho ser é, na verdade, um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana. Aparência exterior x essência aparece como a moral da história em todas as variações de “A Bela e a Fera”.

A produção do espetáculo, que investe numa releitura que emocione e divirta o público, conta com mais de 200 figurinos, múltiplos cenários e projeções.

SERVIÇO
A Bela e a Fera In Concert
Dia 18 de agosto (sábado), às 17h
Teatro Guararapes - Centro de Convenções de Pernambuco
Informações: (81) 3182.8020

Ingressos:
Plateia Especial: R$ 154 (inteira) e R$ 77 (meia)
Plateia: R$ 124 (inteira) e R$ 62 (meia)
Balcão: R$ 84 (inteira) e R$ 42 (meia)

* À venda na bilheteria do teatro (segunda a sábado, das 9h às 17h), lojas Ticketfolia e www.eventim.com.br

comece o dia bem informado: