Baco & cia

Murilo Guimarães

ver colunas anteriores
O que você prefere? Vinho ou cerveja?
O que você prefere? Vinho ou cerveja?Foto: Da editoria de Arte

O amigo Marcelo me enviou um artigo de jornal paulista sob o título de “Cerveja e vinho se aproximam e disputa aumenta”. Onde se apregoa uma briga acirrada pelo mercado de bebidas fermentadas, de mais alta qualidade, em 2019.

A constatação é da Winext, uma empresa de consultoria que visa assessorar as vinícolas brasileiras para um melhor posicionamento no nosso mundo consumidor. Para tanto lançando mão de fontes internacionais relevantes, como a Euromonitor International e a Wine Intelligence.

Que reportam dados tanto antagônicos como concordantes. Por exemplo, nos últimos anos há um inquestionável aumento de consumidores seduzidos pelo vinho. Porém, o interesse pelo conhecimento técnico sobre variedades de uvas, regiões produtoras, estilos, etc está em queda.

Será, amigo, que o povo só quer entornar o copo e pronto? Não, as explicações são outras. Primeiro, ninguém precisa mais memorizar nada. Afinal, a portabilidade e o pronto acesso às informações, através dos aplicativos de smartphones, estão exterminando a memória!

Quantas vezes você, como eu, se pega consultando um Google da vida, em vez de forçar seus neurônios? Por outro lado, acham que a sofisticação cada vez maior dos gins e cervejas, com o consequente incremento de informações, compete e dilui a atenção do público pelo vinho.

Na contramão do que acredito: quanto mais informação, melhor. Poxa, se assim for, acabo de concluir que essa coluna é um redemoinho na sua cabeça, companheiro! Mas... Sempre há um mas na nossa vida, né?

Acredita-se que essa sofisticação das cervejas concorre para aprimoramento do paladar, gerando, a rebote, um consumo mais qualitativo do vinho. E, diria eu, vice-versa. Nessa linha, você deve estar observando o acelerado aumento de oferta nas chamadas cervejas artesanais e especiais – fenômeno não apenas brasileiro.

Que reflete a busca por um sabor diferenciado, fugindo da padronização e do nivelamento por baixo das brejas “tipo pilsen”, produzidas pelas grandes cervejarias. Que já cansavam nossas papilas gustativas. Desta maneira, a Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva) estima um incremento de 25% a 30% na venda delas, em relação a 2018.

Amigo, penso que nem Paulo Guedes sonhava tão alto! Mas tenha calma, ministro, o mercado vinífero não vai crescer tanto. Faça assim: reduza os exorbitantes impostos e aí você vai ver!

Faltando aqui explicar a diferença entre cerveja artesanal e especial. Leitor, sabe de uma coisa? Acho que está na hora de eu acabar esse artigo. Pois, por mais que eu leia a respeito, não consigo nenhuma explicação convincente. Rafa, você me ajuda? Fecho as cortinas dizendo que embates como esse, entre bebidas tão saborosas, a gente deseja sempre.

Até mesmo para nos ajudar a suportar embates como aquele no Senado nacional! Valha-me Deus! A meu sogro, que hoje aniversaria, tim, tim, brinde à vida.

Obs. Levarei falta nesse espaço daqui a duas semanas. Vou fugir novamente do nosso maravilhoso carnaval. Nada contra. Como lhe revelei antes, já fui bom nisso. Hoje, quero paz.

ADEGA
Ekäut Hopbeat
Onde: Ekäutlab, Galeria Corta Jaca
Um saboroso exemplo de uma cerveja artesanal e especial, com sabor frutado, que se presta ao consumo trivial ou harmonizando com pratos adocicados.

*É médico e enólogo. Escreve quinzenalmente neste espaço

veja também

comentários

comece o dia bem informado: