Djavan, músico
Djavan, músicoFoto: Divulgação

Pai de tantos sucessos da MPB, Djavan volta a Pernambuco com um show já conhecido pelo público local. A apresentação baseada no 23º álbum de carreira do cantor alagoano de 68 anos, "Vidas pra contar", passou por aqui em abril de 2016 e repetirá a dose neste sábado (20), a partir das 21h, no Classic Hall.

A turnê está em circulação desde o início do ano passado e já passou por cidades como Buenos Aires, Porto, Lisboa e Santiago.

A escolha do repertório é uma das tarefas que Djavan faz questão de acompanhar de perto. Para ele, o critério fundamental na hora de selecionar as músicas é a interatividade entre o palco e a plateia. "Tento fazer um roteiro baseado nesse sentido, além de mostrar as canções que estão no novo disco. As pessoas querem se identificar com o que elas vão ouvir. Por isso, vou intercalando composições mais recentes com sucessos de todas as gerações", afirma.

Embora "Outono", "Boa noite" e "Eu te devoro" estejam garantidas, nem todos os hits do artista devem ser tocados em Pernambuco. "Sempre acabo tirando um ou outro. Teria que fazer dois shows seguidos para dar conta de tudo", brinca.

Acumulando também o papel de diretor musical do próprio espetáculo, o artista revela que há um dedo seu em cada aspecto que envolve a apresentação. "Tudo passa por mim. Digo sim ou não a todos as sugestões. Na maioria das vezes, acabo dizendo sim, porque as coisas sempre são tramadas da minha maneira. Tenho uma equipe que trabalha comigo há anos e já me conhece muito bem", conta.

Lançado em novembro de 2015, o álbum "Vidas pra contar" é considerado um projeto autobiográfico. "Quando componho, em geral, gosto de imaginar uma situação e criar a partir disso. Dessa vez, foi diferente. É o trabalho onde mais me exponho. Falo da minha mãe, das minhas raízes nordestinas e das minhas preocupações políticas", afirma.

O disco conta com 12 faixas inéditas, com letras e músicas de autoria do próprio Djavan. "Costumo criar sozinho. Para mim, uma parceria necessita de interação e simbiose naturais. Para isso, as pessoas precisam se encontrar, criar intimidade. Não faço nada por telefone", explica.

O amor, tema recorrente na trajetória musical do compositor, segue presente nas canções que embalam o novo CD, como "Encontrar-te" e "Não é um bolero". "O amor é o sentimento que rege a vida. Ele é universal, porque pode atingir qualquer pessoa de qualquer parte do mundo. Na minha opinião, amar é sentir imprescindível a presença do outro em sua vida", conclui.

Serviço:
Show "Vidas pra contar", de Djavan
Neste sábado, às 21h
Classic Hall (av. Agamenon Magalhães, s/n, Olinda)
Ingressos: R$ 70 (pista; inteira) a R$ 1,6 mil (camarote para 10 pessoas)
Informações: (81) 3427-7501

veja também

comentários

comece o dia bem informado: