Ana Lúcia do Coco
Ana Lúcia do CocoFoto: Cultura PE/Divulgação

Em sua 13º edição, com muitas novidades, além do grito por união, luta contra o racismo e intolerância religiosa, o encontro nacional de juremeiros e juremeiras do Brasil terá shows, cortejos de chão e entrega de prêmios para os homenageados da edição. O festival ocorre neste domingo (23), a partir das 9h, nas matas do Quilombo do Catucá, em Abreu e Lima.

A programação do festival terá do tradicional ritual coletivo às entidades e divindades das matas. Para o juremeiro Alexandre L’omí L’Odó, “o kipupa, é o lugar das possibilidades espirituais. Lá, quem busca respostas, pode esbarrar em uma entidade que lhe revele os caminhos da vida... Lá, remédios também poderão ser encontrados para a cura de doenças.”, destaca L’omí L’Odó.

Haverá a intitulada Feira Preta, que reúne produtos do povo de terreiro, com artigos religiosos, artesanatos, instrumentos, livros, entre outros itens relacionados à jurema. Para a criançada, foram reservados atividades educacionais e lúdicas, no Segundo Kipupinha, organizado pelo Ilé Orisanlá Talabí, com um mini parque de diversões e distribuição de doces no tradicional “Cosme e Damião”.

Leia também:
Festival MECABrennand tem line-up com house, funk, dance e synthwave
Festival Malakoff Duos reúne instrumentistas em encontros inéditos
Releitura de Chico Buarque: musical ‘Gota D’Água’ aterrissa no Recife


Serão realizados quatro shows, com grupos e artistas da cultura popular, mestres do coco e da mazurca, a exemplo da Mestra Ana Lúcia do Coco e o Bojo da Macaíba. Também serão feitos três cortejos de chão, pelo Grupo de Bacamarteiros Mandacaru, que abrirão o evento com a saraivada de tiros, em comemoração aos 183 anos de Malunguinho na Jurema.

O Caboclinho Carijós do Recife será responsável pelas boas vindas ao público, com seu terno de caboclo e o Maracatu Nação do Reis Malunguinho, que realizará sua primeira apresentação pública.

   Calunga

O destaque especial da 13ª edição será a apresentação ao público do Calunga gigante de Malunguinho, que na oportunidade será batizado e consagrado no kipupa. O bonequeiro Sílvio Botelho foi o responsável pela criação, que passará a compor o panteão dos bonecos gigantes do Carnaval de Olinda, puxando pela primeira vez no próximo ano a saída do bloco dos Catimbozeiros.

Este ano, serão homenageados com o prêmio "Mourão que não Bambeia" a mãe Jane de Egunitá, pai Ivanildo de Oxóssi, mãe Maria do Oxum (Goiana/PE), pai Hermes de Oxum e o Terreiro Xambá.

Atrações artísticas (dia 23)

Cortejos
9h - Bacamarteiros Mandacarú
9h30 - Caboclinhos Carijós do Recife
10h - Maracaru Nação do Reis Malunguinho

Shows

12h30 - Mestra Ana Lúcia do Coco
13h30 - Bojo da Macaíba
15h - Pandeiro do Mestre
16h - Grupo Bongar

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: