Alfredo Del-Penho, músico e violonista
Alfredo Del-Penho, músico e violonistaFoto: Philippe Leon/Divulgação

Com um toque contemporâneo para o gênero, enquanto reverencia os grandes mestres da voz e do violão brasileiro, Alfredo Del-Penho lança "Samba Só", segundo álbum solo da carreira. Cantor, violonista, compositor, ator e pesquisador, este fluminense de 37 anos guarda conquistas importantes na carreira artística, como o Prêmio da Música Brasileira.

Apesar do título "Samba Só", o músico não está sozinho no álbum, que fez em parceria com compositores de três gerações da música brasileira, num time formado por Chico César, Delcio Carvalho, João Cavalcanti, Joyce Moreno, Nei Lopes, Paulo César Pinheiro, Pedro Miranda e Zélia Duncan. São vozes distribuídas em 15 canções autorais, registradas pelo autor com o toque do próprio violão de 7 cordas. “Quis reverenciar todos esses grandes mestres que criaram com a capacidade de sintetizar a voz de nossa gente em apenas dois instrumentos”, comenta Alfredo.

Leia também:
Madonna assume alter ego em seu próximo disco, 'Madame X'
Artista espanhol Farroyo lança disco com pocket show no Recife
Redução da Rouanet vai poupar museus, mas atacar musicais
Digital já representa 98% do consumo de música no Brasil, diz estudo


O próprio Del-Penho assina a produção musical (com Gustavo Krebs) e os arranjos do álbum "Samba só", também assinando sozinho sambas como "A vida espera em cada esquina", "Quando eu te perdi (Eu juro)" e "Tudo é Milagre". Das 15 músicas da safra autoral do disco, somente uma, "Quando eu te esqueci", já tinha registro fonográfico anterior - feito no álbum "Samba Sujo" -, mas as demais são inéditas. “Escolhi esse repertório a partir de uma série de shows que fiz no Da Casa da Táta, na Gávea. As pessoas recebiam uma cédula de votação para escolher suas prediletas entre 25 canções”, compartilha Alfredo, sobre como foi feita a escolha do repertório para o CD.

Principais influências

O primeiro trabalho solo de Alfredo, "Samba Sujo", rendeu ao artista o prêmio de melhor cantor de samba do 27º Prêmio da Música Brasileira de 2016, no qual concorreu com artistas como Zeca Pagodinho e Arlindo Cruz. De quebra, ele ainda revelou um CD integralmente dedicado à obra do compositor e escritor Nei Lopes, uma de suas principais influências.



“Eu tinha planejado lançar em 2018 um álbum com repertório inteiramente dedicado à obra do compositor Nei Lopes, 'Bamba do Samba Carioca'. Contudo, a robustez do projeto e as músicas já criadas em tom de voz e violão mudaram todas as ideias, mas planejo o projeto para este ano ainda ", enfatiza Alfredo. “Ele é minha maior referência, junto com Antônio Nóbrega, pela busca da compreensão da música popular brasileira”, completa. Nei Lopes participa do "Samba Só", com autoria da letra de "Mantém isso aí", e dos versos da segunda parte de "Já deu o que tinha que dar".

Serviço:
"Samba Só", disco de Alfredo Del-Penho
Gravadora: Tratore
Preço médio: R$ 30

veja também

comentários

comece o dia bem informado: