Leonardo e Maria Suassuna
Leonardo e Maria SuassunaFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Um passeio pela 19ª Fenearte, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, pode trazer descobertas ou reencontros com sabores e aromas de produtos do Nordeste, do Brasil e do mundo. O público aproveita para viajar experimentando um pouco de cada lugar.

Nesta viagem, um dos estandes mais visitados é o estreante Queijo do Poeta, com queijos de cabra e de vaca da Fazenda Carnaúba, fundada em 1782, que teve entre os donos o dramaturgo e escritor paraibano Ariano Suassuna e seu primo, Manuel Dantas, em Taperoá, Paraíba.

Ariano era um entusiasta do queijo de cabras nativas do Nordeste e, há cinco anos, foi um dos idealizadores da criação do Lacticínio Grupiara (que signfica veio de diamantes) e onde se produzia a iguaria que ele chamava de "diamante da Carnaúba".

Leia também:
Prêmio Ariano Suassuna distribui R$ 150 mil em sua terceira edição  
Potência do armorial em exposição que começa na Caixa Cultural Recife
Palestra reflete perspectiva histórica e poética do Movimento Armorial

A opinião, de alto valor, foi confirmada por três medalhas de ouro do Prêmio Queijo Brasil recebidas pelo queijo "Dom Ariano" - especial maturado, numa disputa com 216 queijos de cabra produzidos no Brasil.

Entre os onze tipos de queijo do Grupiara, sete de cabra e quatro de vaca, destaca-se ainda o Dom Manelito, em homenagem a Manuel Dantas, que como o Dom Ariano são maturados por 180 dias.

Outras variedades disputadas são os queijos temperados como o Cariri, que leva folhas ou sementes de marmeleiro, alfazema, cumarú e aroeira, e o Borborema, um queijo de cabra em pasta com alho e cebola. Não bastasse o sabor especial, as embalagens com temática armorial dão ainda mais identidade aos produtos do Grupiara.

"Clientes de todo o Brasil reconhecem os desenhos de Ariano e fazem questão de provar e levar o queijo", diz o distribuidor Leonardo Suassuna, sobrinho-neto de Ariano Suassuna. Pela primeira vez na Fenearte, ele vai ter que renovar o estoque de 1.400 peças trazidas da Carnaúba.

Quase tudo já estava vendido antes de completar uma semana de feira. Além da venda direta, o distribuidor da família Suassuna está fechando contratos com clientes de Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás e São Paulo, ampliando a presença dos queijos que são encontrados em delicatessens e lojas especializadas em queijos finos.

Doceria portuguesa com certeza

Quem gosta dos doces portugueses nunca deixa de passar no estande da Marinheiros de Coimbra que, há quinze anos, marca presença na Fenearte. César Elias, diretor comercial da fábrica, revela que o tradicional pastel de Belém é o carro-chefe e responde por 60% das cerca de 12 mil unidades vendidas diretamente ao público. "A presença na feira ainda impulsiona vendas para outros Estados", afirma Elias.

Chambaril nosso de cada dia

O Seu Luna, conhecido como um dos melhores lugares para comer um chambaril no Recife, foi parar no mezanino da Fenearte este ano. Pela primeira vez na feira, o prato vem repetindo o sucesso que faz na casa, instalada há 30 anos no IPSEP.
Como petisco, os bolinhos de chambaril feitos com a carne que fica no fundo da panela, farinha de rosca e farinha panko, e acompanhados com molho de acerola, não ficam atrás.

A chef Claudia Luna, filha do fundador, Antonio Luna, diz que a experiência está sendo muito intensa. "Fomos muito bem recebidos, inclusive por antigos clientes", afirma. Com proposta de comida regional, o Seu Luna serve o chambaril com pirão e arroz, em porções individuais e para duas pessoas. Já outros pratos como sarapatel, dobradinha, galinha à cabidela, cabrito e rabada são oferecidos no sistema self-service. Para beber, cervejas, sucos e refrigerantes.

Cerveja artesanal, sabores elaborados

No terceiro ano de Fenearte, a Associação pernambucana de cervejarias artesanais - Apecerva, saiu do chão da feira e instalou um pub com 15 torneiras de chopes artesanais ao lado de uma loja com mais de 50 garrafas diferentes, souvenirs e kits especiais das marcas, no mezanino.

Lá estão à venda 15 marcas que vêm, a cada dia, caindo mais no gosto dos clientes de Pernambuco. Nesse clima de conquista, os sabores diferenciados são um trunfo. A Pat Lou Saison inclui casca de laranja e cardomomo na sua fórmula; a Manguezal Coffee Stout, traz o sabor do café e a Frieda Haus Witbier inova com o gengibre. Entre as novas marcas do mercado, duas do interior: a Bruguer, uma pilsen, fabricada em Pesqueira, e a Grunhs Bier, de Garanhuns.  

Serviço:
19ª Fenearte
Até 15 de julho, das 14h às 22h (segunda a sexta-feira); 10h às 22h (sábado e domingo)
Centro de Convenções de Pernambuco (Olinda)
Quanto: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) - Segunda a sexta-feira
R$ 12 e R$ 6 (meia-entrada) - Sábado e domingo
Pontos de venda de ingressos:
shoppings Tacaruna, RioMar, Boa Vista, Recife, Guararapes; Centro de Artesanato de PE e bilheterias do evento
Venda online: www.ticketfolia.com

 

 

Leonardo e Maria Suassuna
Leonardo e Maria SuassunaFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
Queijo do Poeta,
Queijo do Poeta,Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
Cerveja artesanal
Cerveja artesanalFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
Chef Claudinha Luna, do Bar do Seu Luna
Chef Claudinha Luna, do Bar do Seu LunaFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
Bolinho de chambaril da chef Cláudia Luna
Bolinho de chambaril da chef Cláudia LunaFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

veja também

comentários

comece o dia bem informado: