Vida Saudável

Ney Cavalcanti e Solange Paraíso

ver colunas anteriores
Ansiedade é sintoma comum quando se deixa de fumar
Ansiedade é sintoma comum quando se deixa de fumarFoto: Da editoria de Arte

Quando se trata de parar de fumar, a maioria das pessoas se preocupa com o ganho de peso subsequente, o que, de fato, pode vir a ocorrer. A melhora do paladar e do olfato leva a pessoa a sentir mais prazer e interesse pela comida; a busca de gratificação oral propicia ao fumante (ou ex-fumante), comer ou beliscar alimentos, petiscos ou guloseimas repetidamente.

Esse uso do alimento como substituto emocional do cigarro funciona para ajudar a passar o tempo e serve como alívio das tensões, além de facilitar a integração nas oportunidades do convívio social.

A cessação de fumar melhora a qualidade de vida, sobretudo pela redução do risco para muitas doenças - câncer, infarto, acidente vascular cerebral, doenças bucais, etc. Para que o receio de ganhar peso não se constitua um obstáculo sério a essa decisão, transcrevemos, abaixo, algumas recomendações (*).

• Monitore seu peso semanalmente, anote e verifique as variações.

• Organize seu dia alimentar planejando suas refeições antecipadamente. Estabeleça faixas de horários para realização das refeições e cumpra.

• Não fique muitas horas sem se alimentar, coma em intervalos de algumas horas. Recomendam-se seis refeições diárias estruturadas, sendo três principais (café da manhã, almoço e jantar) e três lanches (da manhã, da tarde e ceia). Tente não “beliscar” durante os intervalos.

• Ao fazer compras, dê preferência para comidas saudáveis e, sempre que possível, tente incluir saladas, frutas e verduras em sua alimentação. Faça uma lista de compras e procure não ir ao mercado com fome.

• Não faça compensações. Caso tenha exagerado em alguma refeição, não busque compensar comendo pouco em outra refeição. Tenha uma alimentação balanceada sempre e procure não pular refeições.

• Hidrate-se adequadamente. Beba cerca de seis a oito copos de água ao longo do dia.
• Coma devagar e sem distrações, como ver TV, usar o celular, acessar a internet. Mastigue bem e preste atenção ao que e ao quanto você está comendo.

• Coma sem culpa, mas não exagere. Pare quando estiver satisfeito.

• Reduza ou evite as bebidas alcoólicas e café ou bebidas com cafeína, como chás e refrigerantes. Elas podem ser um convite ao cigarro.

• Tenha alimentos que você possa “atacar em caso de emergência”: gelatina diet, palitos de cenoura, palitos de pepino, fruta, iogurte com pouca gordura devem estar sempre disponíveis.

• Caso não consiga controlar a vontade de ter algo na boca, opte por balas e chicletes sem açúcar.

• Em festas, restaurantes e ocasiões especiais, planeje mentalmente o que e quanto você vai comer e beber.

• Pratique alguma atividade física regularmente. Além de elevar o gasto energético, a atividade física auxilia no controle da ingestão de alimentos e também na vontade de fumar.

• Diante de qualquer dificuldade, procure a ajuda da sua equipe de saúde.

(*) fonte das recomendações alimentares: Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica - O cuidado da pessoa tabagista. Cadernos de Atenção Básica Nº 40 - Ministério da Saúde, Brasília, 2015.

*É nutricionista e atua no Tribunal de Justiça de Pernambuco no Núcleo do Programa Saúde Legal

veja também

comentários

comece o dia bem informado: