Aos 27 anos, a pernambucana Juliana Coelho coordena uma equipe de 1,3 mil pessoas
Aos 27 anos, a pernambucana Juliana Coelho coordena uma equipe de 1,3 mil pessoasFoto: Divulgação

A pernambucana Juliana Coelho mal podia imaginar que assumiria um cargo de gerência em uma grande planta industrial com apenas 24 anos de idade. Mas isso foi possível na Fábrica da Jeep de Goiana, tanto que, hoje, aos 27, ela já coordena 1,3 mil pessoas na montagem dos veículos. É que, além de se destacar como a planta mais moderna da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), a unidade pernambucana tem os líderes mais jovens do grupo italiano.

Gerente da fábrica, Glauber Fullana conta que a média de idade de gerência é de apenas 27 anos em Goiana. “É comum encontrarmos pessoas jovens em postos de liderança dentro da FCA, mas não tantos e tão jovens quanto aqui”, comentou Fullana, argumentando que este posicionamento se encaixa no perfil tecnológico que norteia a planta local, que tornou ainda mais automatizada a produção da Fiat.

Leia também:
Jovens de Pernambuco criam startups para combater problemas sociais
Oportunidade de negócios com a Jeep


“Buscamos pessoas novas para ter uma sintonia entre a planta e os seus colaboradores. Afinal, a inovação parte não só das instalações, mas também das pessoas. E essas são pessoas digitais, que já se formaram no contexto da indústria 4.0 e, por isso, têm facilidade para trabalhar com isso”, justificou.

Para entregar tantos postos de liderança a jovens brasileiros, no entanto, a FCA fez um longo processo de treinamento. Juliana, por exemplo, entrou no grupo quando as obras de Goiana ainda estavam começando. Recém-formada em engenharia química, ela passou por um treinamento de produção automotiva no Recife e depois foi conhecer esse processo na prática em fábricas da Itália e da Sérvia. Na volta, acompanhou o início da montagem pernambucana e continuou sendo treinada por tutores estrangeiros.

“Colocamos novatos com pessoas experientes de outras plantas acompanhando o trabalho deles. E, quando verificamos eles já tinham condições de assumir posições de liderança e gerenciamento, fomos tirando os expatriados”, contou Fullana, destacando que, por isso, a fábrica da Jeep de Goiana também só tem gerentes brasileiros. E ele garante que esse treinamento continua. É que a fábrica pernambucana é referência em tecnologia dentro da FCA. Por isso, líderes formados aqui já foram demandados por outras plantas. Com isso, outro jovem foi desenvolvido para ocupar o cargo do gerente anterior.

Este voo, no entanto, ainda não passa pela cabeça de alguns dos jovens líderes de Goiana. “Tudo foi muito rápido. Então, agora a gente precisa se consolidar nessa área para ter maturidade”, justificou o gerente de prensas Henrique Rath, de 30 anos, reconhecendo que foi uma surpresa chegar a esta posição tão cedo.

“Visitamos cinco fábricas no mundo inteiro e não vimos isso”, explicou. “Sempre víamos chefes mais velhos e distantes. Mas acredito que este é o fruto do nosso trabalho”, completou Juliana, explicando que os jovens colaboradores pernambucanos se conectam com uma ‘energia’ muito boa. “Como estamos juntos desde o começo, temos uma facilidade enorme de comunicação e isso resulta em um tempo de resposta menor no trabalho”, explicou Rath. “E o resultado você vê nos números de produção”, concluiu Juliana, lembrando que, com pouco mais de dois anos, a Jeep de Goiana já produz 700 carros por dia. E a meta deste ano é chegar em 790/dia, justamente sob o comando da gerente de montagens mais jovem do grupo, Juliana.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: