Demócrito Barbosa, assistente do IPA, apresenta o 'bicho lixeiro' no combate às pragas em plantações
Demócrito Barbosa, assistente do IPA, apresenta o 'bicho lixeiro' no combate às pragas em plantaçõesFoto: Paullo Allmeida/Folha de Perambuco

Soluções no combate de pragas, a importância de investir na linhagem genética para melhorar o rebanho, recursos para ampliar a produção de cana-de-açúcar e uso da palma forrageira como base alimentar da pecuária leiteira são os temas apresentados no espaço reservado ao Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) na 77ª edição da Exposição de Animais e Produtos Derivados (ENAPD), que acontece até o dia 11 de novembro, no Parque de Exposições do Cordeiro, na Zona Oeste do Recife. O evento, que tem a expectativa de movimentar cerca de R$ 20 milhões e receber 200 mil pessoas, também está apresentando as novidades que podem auxiliar no trabalho dos produtores rurais durante os períodos de seca.

Segundo o auxiliar de laboratório do IPA, Lucimário Correia, através da Biofábrica do Instituto, foi criada uma linha de produção de clonagem de plantas de acordo com as necessidades dos produtores. “Nossa ideia é ajudar o produtor a ter trabalho durante os períodos de seca. Os estudos são feitos no Sertão e no Agreste. Nós colhemos uma parte da planta, inserimos o material para a clonagem, que pode render até duas mil mudas. São sistemas convencionais ou temporários que dão uma produção maior”, afirmou.

Leia também:
Exposição de Animais deve gerar R$ 20 milhões
Dia de São Francisco tem bênçãos de animais em Casa Forte

Já de acordo com o assistente de pesquisa do IPA, Demócrito Barbosa, o evento também destaca alternativas para o controle de pragas nas plantações. Uma delas aposta no uso do “bicho-lixeiro”. “Ele é predador das pragas, sugando as larvas. O nosso objetivo com isso é evitar o uso de pesticida, pois o próprio inseto combate a praga. Isso reduz custo sem utilização de produto químico”, disse.

Na área destinada aos bovinos, os técnicos estão tratando da importância da linhagem genética, com destaque para a alimentação dos animais e o tempo de vida útil para a produção leiteira. Segundo o pesquisador em reprodução animal do IPA, Sebastião Guido, a seleção genética é fundamental, para que o animal fique na fazenda produzindo por mais tempo. “O trabalho para selecionar o gado leiteiro tem que ser priorizado entre os animais que tenham condições de produzir satisfatoriamente com uma dieta melhor para gerar melhores resultados”, disse.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: