Balanço na Rede

José Neves Cabral

ver colunas anteriores
Náutico com a taça de campeão pernambucano 2018
Náutico com a taça de campeão pernambucano 2018Foto: Brenda Alcântara / Folha de Pernambuco

Mais do que um título para mostrar aos rivais, o Náutico deu, principalmente ao Sport, clube mais abastado financeiramente de Pernambuco, uma lição de competência. Montou um time a baixo custo, conseguiu ser competitivo tanto no Nordestão quanto na Copa do Brasil, e ainda levantou a taça do Estadual. Isso tudo em pouco mais de três meses. Deve-se pontuar aqui que, no Regional, o time não avançou para a fase de mata-matas, mas chegou à última rodada da fase de grupos ainda com chances de classificação.

Não é pouco para um clube abalado por dívidas trabalhistas e que joga praticamente num campo neutro - a Arena de Pernambuco -, enquanto executa o projeto de reforma do Estádio Eládio de Barros Carvalho, seu pequeno e aconchegante caldeirão, pois é ali que o torcedor do Náutico gosta de ver os jogos do time, empurrá-lo para as vitórias. A reforma segue em frente, a passos largos, e daqui a pouco o Timbu voltará a pisar no gramado, onde chamará seus jogos.

Nada contra a Arena de Pernambuco, mas, racionalmente, o custo de jogar nos Aflitos é bem mais em conta, principalmente para uma agremiação que ainda cata tostões para saldar suas dívidas e cumprir seus compromissos. O presidente Edno Melo fez muito bem em anunciar, alto e bom som nas entrevistas pós-título, que não tirará os pés do chão, empolgado pela conquista. A prioridade de sua gestão é sanear financeiramente o clube, deixá-lo em condições de governança para que, assim, possa construir seu crescimento em cima de alicerce sólido.

O saldo é positivo não só para a recuperação da autoestima de sua torcida, que amargava 13 anos de jejum. Há no clube uma geração promissora lançada por Roberto Fernandes. Dizem que um grande time começa com um grande goleiro. O jovem Bruno provou isso em vários jogos tanto do Estadual, quanto do Nordestão e Copa do Brasil. Goleiro bom é aquele que ganha jogo, dizem experts. O prata da casa mostrou que é um desses.

O Estadual de 2018 ficará também marcado pela presença do Central na decisão. Presença forte, diga-se. A Patativa vendeu caro a derrota na Arena de Pernambuco e, em alguns momentos, deixou os alvirrubros atônitos e temeresos, tamanha a pressão. Mauro Fernandes, que montou este time, está de parabéns. O time vai disputar a Série D e tem pano para as mangas para avançar à Série C.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: