Balanço na Rede

José Neves Cabral

ver colunas anteriores
Nelsinho Baptista
Nelsinho BaptistaFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Por pior que tenha sido o desempenho de Nelsinho Baptista à frente do Sport, ele não poderia ser exposto como foi pela diretoria num dia de jogo importante como o desta segunda-feira, com o Botafogo/RJ. Pouco antes da partida, um diretor novato, resolveu subir o tom numa entrevista, praticamente ameaçando o treinador de demissão, caso o time não colhesse um bom resultado.

Surpreendentemente, o Sport jogou sua melhor partida no ano. Nelsinho acertou na escalação e o empate acabou até sendo injusto para os rubro-negros. Mas a mágoa já havia atingido o treinador. Ele não engoliu o insulto sofrido com a entrevista do dirigente pouco antes da partida. Vencendo ou não, Nelsinho agiu com dignidade ao entregar o posto, deixando a diretoria do Sport à vontade para escolher outro treinador. Na coletiva, porém, ele não escondeu seu aborrecimento.

Lembrou que ao ser convidado para dirigir o clube, havia um projeto que não foi executado. Jogadores importantes deixaram o clube e a reposição de peças não foi feita no mesmo nível dos que saíram. "Um filme que vi há nove anos, terrorismo dentro do CT, um dia querem tirar o fisioterapeuta, outro o preparador físico. Só trazem problemas para a a gente, nunca soluções", afirmou o treinador.

Cabe aos dirigentes do Sport, agora, buscarem outra opção para assumir o clube. Que a atitude de Nelsinho deixe ao menos a lição de que é preciso agir com coerência e respeito aos profissionais do clube.

Crise agravada
A saída do treinador apenas agrava uma crise da gestão Arnaldo Barros. Circula na Ilha do Retiro um abaixo-assinado para recolher 500 assinaturas de associados e, assim, ser convocada uma assembleia-geral. Ex-presidentes também vem questionando a atual situação financeira do clube.

 

 

 

 

 

 

 

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: