Djokovic busca igualar títulos de Federer no ATP Finals
Djokovic busca igualar títulos de Federer no ATP FinalsFoto: ANNE-CHRISTINE POUJOULAT / AFP

Vencedores de 11 das últimas 15 edições da competição que fecha a temporada da ATP, Roger Federer e Novak Djokovic buscam recuperar o protagonismo nessa disputa.

O torneio, jogado em Londres com os oito melhores tenistas do circuito ao longo do ano, começa neste domingo (11) e vai até o próximo (18).

Federer, 37, é o maior vencedor do ATP Finals, com seis títulos (2003, 2004, 2006, 2007, 2010 e 2011). Em seguida vem Djokovic, 31, com cinco (2008, 2012, 2013, 2014 e 2015), mesmo número de Pete Sampras e Ivan Lendl. De 2000 a 2008, o campeonato era chamado de Masters Cup, e antes disso teve outros nomes.

A última vez em que Federer e Djokovic se enfrentaram no ATP Finals foi em 2015. Naquela ocasião, o suíço venceu na fase de grupos, mas eles se reencontraram na decisão, desta vez com triunfo do sérvio.

Com uma lesão no joelho, Federer se afastou das quadras no segundo semestre de 2016 e não participou da competição. No ano seguinte, foi a vez de Djokovic se ausentar por seis meses, para tratar uma lesão no cotovelo. Nenhum deles, no entanto, aproveitou a ausência do rival.

Há dois anos, o sérvio perdeu o troféu para o britânico Andy Murray, que havia acabado de desbancá-lo do posto de número 1 do mundo.

Já em 2017, o suíço parou nas semifinais, ao ser eliminado de forma surpreendente pelo belga David Goffin. O título ficou com o búlgaro Grigor Dimitrov. Nem Goffin nem Dimitrov conseguiram se classificar nesta temporada.

O domínio de Federer e Djokovic no piso rápido e coberto da o2 Arena contrasta com as dificuldades enfrentadas por Rafael Nadal em Londres. O ATP Finals é o único dos principais eventos do tênis (lista que também inclui Grand Slams e o torneio olímpico) que o espanhol nunca venceu.

Nadal, atual vice-líder do ranking, anunciou sua desistência no início da semana, por não ter se recuperado de uma lesão no abdômen. O desgaste de fim de temporada tem atormentado o espanhol nos últimos anos.

Ele também desistiu de participar do Finals em 2016 e, na temporada passada, abandonou após perder na primeira rodada da fase de grupos.

Além dele, o argentino Juan Martín Del Potro (quarto colocado) é outra baixa neste ano, com uma fratura no joelho. Dessa forma,o líder e o terceiro colocado do ranking são os favoritos para reeditar a decisão de 2015. Na semana passada, Djokovic, que ressumiu o topo na segunda (5) e vive grande momento, e Federer estiveram frente à frente nas semifinais do Masters 1.000 de Paris, com vitória do sérvio no tiebreak do terceiro set.

Ele venceu os últimos quatro confrontos contra o rival, mas o duelo na França sugeriu um equilíbrio não visto no outro embate entre os dois em 2018, no Masters 1.000 de Cincinnati, que acabou com triunfo tranquilo de Djokovic.

Federer, que pode obter em Londres o centésimo título de simples da sua carreira, afirmou em entrevista nesta semana ao jornal britânico The Times que vai continuar a jogar "pelo maior tempo possível".

Maior vencedor de Grand Slams entre os homens, ele fez uma temporada irregular em 2018. Conquistou 4 troféus, contra 7 no ano passado, e sofreu eliminações inesperadas em Wimbledon, para o sul-africano Kevin Anderson nas quartas de final, e no US Open, diante do australiano John Millman nas oitavas.

Neste ano, o ATP Finals homenageia nos nomes dos grupos os vencedores das edições de 2000 e 2001. Djokovic encabeça a chave Guga Kuerten, que tem ainda o alemão Alexander Zverev, o croata Marin Cilic e o americano John Isner.

No grupo Lleyton Hewitt estão Federer, Kevin Anderson, o austríaco Dominic Thiem e o japonês Kei Nishikori.

O Brasil está representado com dois tenistas no torneio de duplas. Marcelo Melo, que joga com o polonês Lukasz Kubot, e Bruno Soares, parceiro do britânico Jamie Murray, caíram em chaves diferentes e poderão se enfrentar a partir das semifinais.

Os grupos do ATP Finals

Diferentemente dos outros torneios do circuito, no ATP Finals quem perde logo de cara não é eliminado. Os oito melhores tenistas do ano são divididos em duas chaves. Todos jogam entre si dentro dos grupos, e os dois melhores de cada um avançam para as semifinais.

Simples

Grupo Guga Kuerten
Novak Djokovic (SER) - 1º colocado do ranking
Alexander Zverev (ALE) - 5º colocado do ranking
Marin Cilic (CRO) - 7º colocado do ranking
John Isner (EUA) - 10º colocado do ranking

Grupo Lleyton Hewitt
Roger Federer (SUI) - 3º colocado do ranking
Kevin Anderson (AFS) - 6º colocado do ranking
Dominic Thiem (AUT) - 8º colocado do ranking
Kei Nishikori (JAP) - 9º colocado do ranking

*Rafael Nadal (2º colocado do ranking) e Del Potro (4º) desistiram por lesão

Primeira rodada
Domingo (11)
11h K. Anderson x D. Thiem
17h R. Federer x K. Nishikori

Segunda (12)
11h A. Zverev x M. Cilic
17h N. Djokovic x J. Isner

Duplas

Grupo Knowles/Nestor
[1] Oliver Marach (AUT) / Mate Pavic (CRO)
[3] Lukasz Kubot (POL) / Marcelo Melo (BRA)
[5] Mike Bryan (EUA) / Jack Sock (EUA)
[8] Pierre-Hugues Herbert (FRA) / Nicolas Mahut (FRA)

Grupo Llodra/Santoro
[2] Juan Sebastian Cabal (COL) / Robert Farah (COL)
[4] Jamie Murray (GBR) / Bruno Soares (BRA)
[6] Raven Klaasen (AFS) / Michael Venus (NZL)
[7] Nikola Mektic (CRO) / Alexander Peya (AUT)

Domingo (11)
9h Murray/Soares x Klaasen/Venus
15h Cabal/Farah x Mektic/Peya

Segunda (12)
9h Marach/Pavic c Herbert/Mahut
15h Kubot/Melo x Bryan/Sock

Transmissão
SporTV 3

Os jogos estão no horário do Recife

veja também

comentários

comece o dia bem informado: