Acosta jogou no Náutico em 2007
Acosta jogou no Náutico em 2007Foto: Marcos Pastich/Arquivo Folha

No próximo dia 16, os alvirrubros vão, enfim, matar a saudade do estádio dos Aflitos. Dia também de reencontro com ex-atletas que marcaram época no time de Rosa e Silva. Há, contudo, quem ainda esteja na atividade e sem data para pendurar as chuteiras. Um jogador que fez os pernambucanos aprenderem cúmbia. A Folha de Pernambuco conversou com o uruguaio Acosta, vice-artilheiro do Brasileirão 2007 pelo Timbu. O atacante relembrou momentos marcantes com a camisa vermelha e branca, o problema cardíaco que quase o obrigou a abandonar os gramados e a ansiedade em voltar a pisar no estádio alvirrubro.

“Os Aflitos é minha casa. Quando jogava lá, eu sabia que ia vencer. Quando entrar no estádio, eu vou me lembrar de tudo que vivi no Náutico. Vai ser emocionante”, disse. “Tenho um carinho grande pelos pernambucanos. Muitos torcedores de Sport e Santa Cruz falam que eu fui um dos poucos estrangeiros que eles gostaram de ver”, completou.

Aos 41 anos, Acosta joga atualmente no Cerrito, equipe da segunda divisão do Uruguai que o revelou para o futebol. A “casa de nascença” do atleta, antes da “adotada”, em 2007. O início em Pernambuco, porém, não foi fácil. Acosta chegou como uma aposta, mesmo aos 30 anos. “Ninguém me conhecia. Fiquei dois meses sem jogar por conta de problemas na documentação e pensei que não continuaria no clube. Mas eu fui muito bem recebido e os gols começaram a saír”, contou. Foram 19 somente na Série A.

Com tantos momentos inesquecíveis, o uruguaio não conseguiu escolher apenas um. “ Posso citar três? Eu me lembro do 1x0 contra o São Paulo, que joguei machucado e marquei o gol da vitória. Tem também a partida que fiz quatro gols contra o Botafogo e o gol contra o Cruzeiro, no Mineirão. Nosso time entrava em campo feliz. Foi o melhor que já joguei junto”.

Acosta deixou o Náutico no ano seguinte para atuar no Corinthians. Voltou em 2009, mas se machucou e não teve sequência. Passou por clubes como Brasiliense, Central, Santos/AP e Taboão da Serra/SP. Nesse último, em 2017, deu um susto nos torcedores. “Descobri um problema cardíaco, mas hoje eu tomo medicamentos e me cuido bem. Eu disse que me aposentaria no ano passado por conta do coração, mas voltei. Têm uns cinco anos que falo em parar, mas não paro (risos). Enquanto aguentar treinar, eu vou continuar”, disse.

Para 2019, seu destino pode ser novamente o Brasil. “Tenho propostas de São Paulo e uma do interior de Pernambuco. Alguns torcedores me pedem para voltar ao Náutico, mas meu tempo passou. Hoje fico torcendo pelo clube e espero que os novos jogadores sintam a mesma emoção que eu sentia.”

Leia também:
Goiano analisa reforços do Náutico e aguarda emprestados
Jhonnatan deixa o Náutico e defenderá CSA em 2019

veja também

comentários

comece o dia bem informado: