Alvo de desgaste entre departamentos do clube, campanha deve receber incremento de 30 galinhas, todas criadas no próprio CT
Alvo de desgaste entre departamentos do clube, campanha deve receber incremento de 30 galinhas, todas criadas no próprio CTFoto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

A ação de vender uma bandeja de 12 ovos por R$ 10, criada pelo ex-presidente e conselheiro João Caixero, virou chacota e alvo de críticas do próprio Executivo do Santa Cruz após a grande repercussão nas redes sociais. A verba arrecadada com a nova campanha é revertida para ajudar na construção do tão sonhado Centro de Treinamento Ninho das Cobras, localizado na Estrada da Mumbeca, na Guabiraba, Zona Norte do Recife. Desde o ano passado, o diretor da Comissão Patrimonial tem criado produtos com a marca do clube para angariar recursos financeiros em prol do CT.

Entre as mercadorias à disposição para comercialização estão o livro "Santa Cruz de Corpo e Alma", escrito pelo diretor da Comissão Patrimonial, João Caixero, além do bolo de rolo, cerveja artesanal (Colosso Coral), café (Tradição Coral), cadernos, agendas, chaveiros, calendários, adesivos, broches, bolsas e miniaturas do Expresso Coral (ônibus do clube). Os produtos podem ser comprados na loja instalada no CT e no quiosque na sede social do clube, no Arruda. Os preços variam entre R$ 10 e R$ 1 mil. O próximo passo é lançar um panetone para vender no Natal.

Mesmo após a polêmica, João Caixero rebateu as críticas sobre a iniciativa e afirmou que é preciso captar fundos para as obras do terreno. Inclusive, ele pretende aumentar a produção de ovos caipira por dia a partir da compra de mais 30 galinhas, dobrando o número de aves no CT, onde são criadas. A reportagem tentou contato com o ex-mandatário, ontem, por telefone, para comentar o assunto, mas até o fechamento desta edição ele não havia sido localizado.

O episódio expôs a divisão entre os poderes do clube e reforçou a necessidade da mudança do estatuto. Ao assumir a presidência no fim de 2017, Constantino Júnior prometeu reformular o regimento no triênio da sua gestão (2018-2020).

O Santa Cruz publicou uma nota de esclarecimento criticando o fato. No comunicado, o executivo informou que “o estatuto do clube determina a independência dos poderes executivo, conselho deliberativo e comissão patrimonial com seus presidentes respondendo individualmente por suas gestões”. E completou dizendo que “não corrobora com as ideias de venda de produtos perecíveis porque o clube possui contrato com empresa especializada em gerenciamento de produtos licenciados. Portanto, toda e qualquer autorização legal de exploração da marca do Santa Cruz, só é feita mediante liberação dos departamentos jurídico e de marketing”. Também procurado para falar sobre o assunto, o atual presidente preferiu o silêncio, afirmando apenas que corrobora com o que foi colocado na nota.

Desde a gestão do ex-presidente Alírio Moraes (2015-2017) há uma divisão entre o Executivo e a Patrimonial. No ano passado, por exemplo, o Santa tinha uma comunicação à parte, criada por João Caixero, para ficar à frente do site da Comissão Patrimonial. Nesta temporada, o presidente Constantino Júnior está conduzindo as reformas estruturais do clube - troca do gramado, nova fachada e revitalização dos banheiros -, enquanto João Caixero só trabalha para o Centro de Treinamento. Para ajudar na construção do primeiro campo, a marca própria Cobra Coral vai lançar uma camisa com edição limitada (300 unidades) em parceria com o grupo Tricolores do CT.

Leia também:
Santa visa parceria com times da elite por empréstimo sem custo
Vice de futebol sai do Santa e Sorriso vira "superministro"

veja também

comentários

comece o dia bem informado: