Arnaldo Barros destacou boas condições de segurança da casa leonina
Arnaldo Barros destacou boas condições de segurança da casa leoninaFoto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

O Conselho Deliberativo do Sport determinou nesta terça-feira (15), a convocação de uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para que seja debatido e decidido sobre o andamento ou não do processo de impedimento do presidente executivo Arnaldo Barros. A medida é baseada num pedido feito por 601 associados, entregue ao presidente do Deliberativo, Homero Lacerda, no dia 30 de abril deste ano. Inicialmente, a lista continha 718 nomes. Mas, em verificação feita, o número caiu para 601 aptos para requerer, com a necessidade de serem maiores de 18 anos, adimplentes e com mais de um ano de associados.

Entretanto, do outro lado o presidente Arnaldo Barros rebateu a determinação, afirmando que o procedimento foi equivocado por parte do próprio presidente do Conselho Deliberativo. “Foi uma atitude política. Homero (Lacerda) fez o que disse que iria fazer: atropelar o estatuto em nome de um objetivo político. E assim passou por cima do próprio Conselho Deliberativo, inclusive tentando desmoralizar o próprio órgão que presidi. Essa decisão parte do órgão, em votação secreta, como manda o estatuto, não apenas pelo presidente. E só depois essa Assembleia Extraordinária poderia ser convocada. Essa lista de 500 sócios não substitui essa votação do conselho”, explicou Arnaldo.

Leia também:
Arnaldo Barros destrincha momento financeiro do Sport
Arnaldo Barros abre caixa-preta do Sport e rebate acusações
Arnaldo Barros toma posse em clima de indefinições
"Sport fez o papel da Lava Jato", diz Homero Lacerda

Sobre o documento, que já está nas mãos do Executivo, Barros ainda não decidiu quais as medidas que irá adotar. “O estatuto precisa ser respeitado, seja por mim ou por qualquer um. Vamos analisar com calma para decidir o encaminhamento disso. Mas, não é por uma vontade política de Homero, que teima em desestabilizar o ambiente, que atropelaremos as regras do estatuto do clube”, finalizou Arnaldo Barros.  

De acordo com o documento, o clube tem até dez dias para convocar a AGE, observando uma necessidade de um espaço de cinco dias entre a convocação e a data da Assembleia Extraordinária, como manda o estatuto do clube. E também válido observar que apenas a Assembleia Geral, que reúne conselheiros e todo o quadro de associados, possui o poder de destituir um presidente no Sport. A Assembleia Extraordinária conta apenas com o quadro de 150 conselheiros e tem como função deliberar sobre o assunto e decidir se convoca ou não uma Assembleia Geral, que mobilizaria todas as alas do clube.

No documento assinado por Homero Lacerda, são apresentados alguns argumentos para o impedimento de Arnaldo Barros. Quase todos eles baseados em problemas financeiras, supostamente criados ou alastrados pelo atual chefe do executivo, segundo o documento, alegando haver parcelamentos em aberto (atrasados) e déficit financeiro, com o clube gastando mais do que arrecada, de acordo com o documento. A reportagem da Folha de Pernambuco tentou contato com Homero Lacerda, mas não obteve sucesso.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: