Alimentos

Setor cresceu 0,7% acima do PIB nacional em 2017, um crescimento cerca de 1% maior que o registrado em 2016
Setor cresceu 0,7% acima do PIB nacional em 2017, um crescimento cerca de 1% maior que o registrado em 2016Foto: Alfeu Tavares/Arquivo FolhaPE

Apesar da crise econômica, o ano de 2017 foi considerado como extraordinariamente bom para a indústria alimentícia brasileira. Segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), o setor cresceu 0,7% acima do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, com um crescimento cerca de 1% maior que o registrado em 2016. Para 2018, a expectativa também é positiva e o setor deverá fechar o exercício em crescimento.

Outro ponto de otimismo está no fato de que as estimativas apontam que, ao longo de 2017, a cesta básica ficou 7,1% mais barata, o que deve se repetir também neste ano. Segundo levantamento feito pela consultoria GFK, o preço médio do Prato Feito Caseiro - que mede a variação do tradicional PF (Prato Feito), mas calculado com base em ingredientes comprados pelo consumidor em supermercados e preparados em casa durante o mês, chegou a ficar 8,5% mais barato em janeiro, quando comparado com o mesmo período do ano anterior.

Com isso, a tendência é que o consumidor opte por levar no carrinho algum produto a mais, que pode ir desde um pacote de macarrão, um biscoito diferenciado ou até aquele molho de tomate para dar mais sabor e consistência ao prato e que até então era consumido apenas esporadicamente. Nesta direção, promoções, atendimento diferenciado, relacionamento direto com o consumidor, novos itens no portfólio e uma boa comunicação entre a marca e o cliente são pontos considerados prioritários.

MARCA SINÔNIMO DO PRODUTO

Se trabalhar um produto histórico como a farinha de milho, presente nos lares nordestinos já é uma tarefa que requer cuidado, o que não dizer de, além disso, ter uma marca que é quase um sinônimo deste produto? Nesta direção, a Asa Indústria consegue unir as duas coisas há quase 60 anos com a Vitamilho, campeã no segmento na pesquisa.

“A marca sempre primou por entregar benefícios que são claramente percebidos pelo consumidor, desde a aquisição da matéria-prima até a entrega do produto final. Além disso, também desenvolvemos um trabalho bom e constante de comunicação junto ao consumidor”, diz o diretor de Marketing e Vendas da ASA, Wagner Mendes. A marca Vitamilho possui uma participação estimada entre 35% e 40% de todo o volume de farinha de milho do Nordeste, com movimentação estimada entre 135 mil e 159 mil toneladas anuais.

“Sempre buscamos inovações. Para este ano, a linha do Flocão Vitamilho irá ganhar novos sabores. Outros produtos da empresa também seguem esta tendência como a de pipocas para micro-ondas, que também terão novos sabores ainda em 2018”, antecipa Mendes quando indagado sobre as ações que contribuem para a manutenção da marca na mente dos consumidores.

Também na área de Alimentos, a ASA teve a marca do extrato de tomate Palmeiron como a mais lembrada e querida pelos consumidores pernambucanos. “Ocupamos o segundo lugar neste segmento em todo o Nordeste, com uma participação de 19%. É uma honra. O extrato de tomate é uma presença garantida quando se fala em culinária e gastronomia. Temos tradição e qualidade. O consumidor tem a certeza que o nosso produto vai garantir o sabor que ele procura dar ao prato. Isso é algo que muito nos alegra e incentiva a buscar sempre o melhor para este cliente”, ressalta Mendes.

Segundo ele, a despeito da crise, o segmento de extrato de tomate cresce entre 6% e 7% ao ano. “Temos um bom posicionamento quanto à precificação, além de ter total controle sobre a cadeia de produção, o que nos garante qualidade e boa colocação de preço”, observa o executivo. Para cativar ainda mais o consumidor, ele destaca que a Palmeiron também vem investindo em parcerias com chefs para oferecer receitas exclusivas por meio das redes sociais e do Youtube. “Para 2018, acreditamos que a marca Palmeiron vai crescer 10%, a exemplo dos anos anteriores”, prevê.

“O IRRESISTÍVEL É PARA TODOS”
Líder absoluta no segmento de massas e biscoitos no País, a Vitarella ganhou, pela terceira vez consecutiva, o prêmio Marcas que eu gosto nas categorias Macarrão, Biscoitos Doces e Cream Cracker. A empresa, que nasceu em 1993, em Jaboatão dos Guararapes e foi incorporada pelo grupo cearense M. Dias Branco há 10 anos, é a marca líder de vendas de biscoitos no Brasil e figura em primeiro lugar no segmento de massas no Nordeste.

A estrutura operacional do grupo, composta por 12 fábricas e 29 filiais garante que a marca Vitarella esteja presente em todo o território nacional. A expectativa para o ano de 2018 é fortalecer a sua liderança nas praças onde já é líder, além de expandir as vendas para novos mercados, sobretudo nas praças de São Paulo e Rio de Janeiro.

“A Vitarella oferece várias opções de produtos que cabem em todos os bolsos. O vasto portfólio, seu caráter democrático, somado à qualidade dos produtos, confirmam a liderança da marca”, destaca a gerente de Marketing, Marina Lemos. “O novo slogan: ‘O Irresistível é para todos’, lançado no ano passado, é resultado de como os nossos consumidores enxergam a marca: entusiasmada, democrática, inclusiva e cativante. Esses conceitos guiam nossa linha de comunicação em todas as campanhas e plataformas”, diz Marina.

GAÚCHA COM A CARA DOS PERNAMBUCANOS
O fato de ser uma indústria com origem no Rio Grande do Sul não faz diferença na escolha do arroz Emoções como o mais lembrado pelos pernambucanos e vice-versa. “Para a empresa, é uma satisfação enorme receber novamente o prêmio Marcas que eu gosto e ser reconhecida como a marca mais lembrada. É uma motivação a mais para continuarmos a levar o melhor produto para o nosso consumidor”, diz o gerente comercial do grupo Nelson Wendt Alimentos, Márcio Nörnberg Jandt.

A marca, presente há mais de 30 anos no mercado pernambucano, tem no Nordeste cerca de 85% de suas vendas, o que atesta o cuidado que a empresa tem em manter uma filial industrial no Estado, empregando diretamente 40 funcionários. Esta estrutura, que também funciona como central de distribuição, atende aos mercados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. A filial pernambucana, juntamente com as unidades da Bahia e do Ceará, comercializam cerca de 7,5 mil toneladas mensais apenas no Nordeste.

“Temos uma preocupação enorme com a qualidade e isso gera confiança junto ao consumidor. Além disso, buscamos um marketing diferenciado, que vai desde a embalagem atrativa e informativa, até a ações específicas nos pontos de vendas, além de promoções voltadas para o nosso consumidor”, diz Jandt.

Nesta direção, a empresa promete uma nova ação para o seu público. Apesar de não entrar em detalhes, o executivo destaca que “alguns consumidores serão premiados por meio de uma nova ação que está sendo preparada com carinho para este público que prestigia o produto".

TODO MUNDO PODE COZINHAR
Com mais de 70 anos de história, o vinagre Minhoto, produzido pelo grupo Raymundo da Fonte, é uma das marcas mais fortes e queridas pelos pernambucanos. Com 70% de participação no mercado estadual, o vinagre Minhoto atribui o seu sucesso à tradição e qualidade do produto que chega ao consumidor. “Todos os produtos são feitos com matéria-prima de alta qualidade. Somos um dos únicos a produzir o vinagre de maçã com vinho da própria fruta e não saborizado com essência de maçã, o que garante um
produto superior do ponto de vista do sabor e funcionalidade”, detalha a responsável pelo marketing da marca, Renata Wanderley.

Apesar de o grupo possuir quatro fábricas – em Pernambuco, Bahia, Pará e Rio de Janeiro -, o vinagre é produzido apenas nas filiais de Pernambuco e Pará, que possuem capacidade para produzir até 60 milhões de litros anuais do produto, mas, ao longo de 2018, o grupo pretende investir na ampliação da capacidade produtiva e também na busca de novos mercados.

“Em 2018, a Minhoto vai buscar encorajar seus consumidores a irem para a cozinha através do conceito ‘Todo mundo pode cozinhar’. E como embaixador dessa mensagem, chamamos Lorenzo Raviol, um garoto de 15 anos que, aos 13, venceu o MasterChef Junior" antecipa Renata. O foco da campanha está centrado nas mídias digitais, incluindo vídeos tutoriais na plataforma Youtube da Minhoto.

"Além disso, vamos desenvolver um trabalho de mídia com merchans regionais reforçando o discurso através de uma comunicação localizada, personalizando a linguagem dentro de cada região. Também vamos ganhar o reforço de comunicadores nacionais como Rodrigo Faro e Ana Maria Braga”, revela a gestora de Marketing.

DOCES COMO CARRO-CHEFE
Pernambuco vem de uma longa tradição de doces desde o período colonial. Detentora de uma marca familiar há 57 anos, a Tambaú é a preferida pelos pernambucanos no seguimento doce de goiaba. “A marca é associada à tradição, e isso transmite a imagem e a percepção de uma empresa séria, preocupada com seus clientes e consumidores”, diz o presidente da Tambaú Alimentos, Hugo Gonçalves. Apesar de produzir mais de 100 itens em seu portfólio, que incluem atomatados e uma nova linha de ketchups, o segmento de doces é o carro-chefe da empresa.

Segundo Gonçalves, os doces representam 1/3 do negócio da empresa que atua em todo o Norte e Nordeste e a goiabada representa 2/3 do segmento. Considerando todas as linhas da empresa, são produzidas cerca de 3,5 mil toneladas mensais dos mais diversos produtos, que garantem um faturamento previsto para este ano de cerca de R$ 150 milhões. “Nos últimos três anos, apesar da recessão da economia, crescemos cerca de 10% ao ano. A crise dos últimos anos acabou favorecendo as empresas regionais que, graças a um melhor preço e qualidade, ganharam espaço sobre as grandes marcas", analisa.

Para fidelizar ainda mais seus consumidores, a Tambaú vem ampliando o investimento em marketing, o que inclui ações institucionais na área de esportes, como futebol e pedestrianismo. A empresa também está patrocinando programas de culinária e desenvolvendo ações próprias nas redes sociais.

EXPANDINDO ÁREA DE ATUAÇÃO
Presente em toda Região Metropolitana do Recife, Agreste e Zona da Mata Norte de Pernambuco, o Feijão Turquesa, vencedor na categoria, com 24 anos de mercado, é visto pelo consumidor como sinônimo de qualidade e, justamente por isso, é mais uma vez o preferido pelos pernambucanos.

“Seguimos um padrão rígido, desde a escolha da matéria-prima entre as melhores safras do País, até o produto final. Criamos uma relação de confiança de 24 anos com nossa marca”, avalia o diretor-presidente da Oásis Alimentos, grupo responsável pela marca de feijão Turquesa, Railson Benjamin.

A marca, que tem planos de expansão também para o Sertão pernambucano, é encontrada nas prateleiras de outros sete estados (PB, AL, RN, CE, SE, PI, e MA). Com a conclusão da construção de uma nova unidade fabril, a expectativa de crescimento é de 25% da marca no mercado a partir de 2019.

“Também está sendo implementado na unidade atual (em Paratibe, Paulista) um novo layout de recebimento e armazenamento, além da substituição de alguns equipamentos na parte de beneficiamento e empacotamento. O objetivo é aumentar a produtividade e propiciar ainda mais controle de qualidade”, adianta Benjamin, que acrescenta: “Investimos também na contratação e qualificação dos nossos colaboradores, com treinamentos para cada área".

comentários