Automóveis

A produção de veículos cresceu 14,6% no primeiro trimestre, segundo a Anfavea
A produção de veículos cresceu 14,6% no primeiro trimestre, segundo a AnfaveaFoto: Reprodução/Pixabay

Um estudo da Capgemini, fornecedora de serviços de consultoria, tecnologia e outsourcing, mostrou os impactos da tecnologia e dos serviços de compartilhamento de viagens no transporte. A multinacional francesa entrevistou mais de oito mil consumidores em oito mercados-chave (Brasil, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Reino Unido e Estados Unidos).

Todos os entrevistados consideravam ativamente a possibilidade de compra ou locação de automóveis dentro do período de um ano. De acordo com os dados coletados, apesar da maior afinidade da geração mais jovem (entre 18 e 34 anos) com os canais digitais, todos querem ter pontos físicos de contato na hora da compra de automóveis. Assim, apesar da busca pelas facilidades high tech, as concessionárias são cruciais no processo de venda.

No Brasil, 31% dos entrevistados disseram estar dispostos a comprar seu carro pela internet. Com rela¬ção ao comportamento digital, 30% disseram terem sido influenciados por comentários positivos nas mí¬dias sociais na hora de adquirir um automóvel, enquanto 76% afirma¬ram que postam informações sobre seus carros, processos de compra e marcas nas redes.

AMPLIANDO A PRODUÇÃO
A produção de veículos cresceu 14,6% no primeiro trimestre, segundo dados da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Apostando nesta retomada da economia, o Grupo Moura, campeão na categoria Baterias de Carro, planeja iniciar a operação de sua nova unidade fabril ainda no primeiro semestre. A nova planta industrial, em implantação em Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, permitirá a duplicação da atual capacidade produtiva. Na primeira etapa de operação serão criados 180 novos empregos diretos.

Líder de mercado no América do Sul, o Grupo Moura foi criado em 1957, na cidade de Belo Jardim, voltado inicialmente para o ramo automotivo. A atuação se expandiu para outros segmentos, produzindo, hoje, baterias e sistemas de acumulação de energia para as mais diversas aplicações, como motos, barcos, empilhadeiras, nobreaks, metrôs, trens, estações de telefonia, entre outros.

Contando com seis plantas industriais – cinco no Brasil e uma na Argentina – a Moura fabrica cerca de oito milhões de baterias por ano e detém uma rede de distribuição exclusiva com mais de 80 unidades no Mercosul. O corpo de colaboradores do grupo hoje é composto por mais de 5.700 pessoas. Em 2017 foi lançada uma nova bateria automotiva para o mercado, mais robusta e tecnológica para suportar os carros que exigem cada vez mais eficiência da bateria. Além disso, foi criado o Moura Fácil, uma plataforma digital onde o cliente pode acessar e pedir a sua bateria e recebê-la em até 50 minutos. O serviço é realizado online e pode ser acessado por celular, tablet ou computadores.

“A cultura inovadora é transversal dentro da organização e voltada para acompanhar e antever as demandas dos negócios da empresa. Essa tendência é aplicada desde a busca por melhorias produtivas no processo industrial até o desenvolvimento de novas tecnologias e produtos e na formulação de ferramentas de atendimento e garantia de satisfação do cliente”, afirma a diretora de Marketing do grupo, Andréa Lyra.

GERANDO MAIS EMPREGOS
A fábrica da Fiat conquistou mais uma vez a preferência dos pernambucanos. No Brasil, a marca tem uma fábrica instalada em Betim (MG) desde 1976. Já o Grupo Fiat Chrysler Automobiles (FCA) se faz presente em Pernambuco com a fábrica da Jeep, em Goiana, Zona da Mata Norte de Pernambuco. A planta produz os modelos Compass, Renegade e Toro (da Fiat).

"O polo pernambucano é um orgulho para a FCA, Somos muito felizes em estar no Estado. Vejo a fábrica de Goiana como uma virtude industrial para Pernambuco. Muitas pessoas conseguiram concretizar seus sonhos trabalhando conosco e isto nos motiva", afirma o CEO da FCA para América Latina, Antonio Filosa.

“Os clientes e as concessionárias desejam modernização, eficiência e qualidade. Vamos nos aproximar ainda mais desse mercado para transformar nossa estratégia em serviços. E com o Produto Interno Bruto (PIB) aumentando, o desemprego caindo e a economia sendo retomada, a aposta para o crescimento de compra está maior”, completa o CEO.

Em 2017, a unidade fabril produziu 179 mil veículos. Hoje 12 mil pessoas estão empregadas, entre parques de fornecedores, fábrica e terceirizados. “O Brasil é um mercado de destaque nos planos de desenvolvimento internacional da companhia. Pernambuco veio para ficar", frisou o presidente da Fiat Chrysler Automobiles, Sergio Marchionne em entrevista recente à Folha de Pernambuco.

A segunda fábrica do grupo Fiat no País ganhou este ano um novo turno, passando a funcionar 24 horas por dia. Com isso, a meta é atingir a capacidade máxima de produção de 250 mil veículos por ano, abrindo mais de 1,5 mil novos postos de trabalho.
  
PIONEIRA NO GRANDE RECIFE
Hoje com três lojas – na Imbiribeira, em Boa Viagem e Piedade -, a Meira Lins, vencedora na categoria Revenda Volkswagen, sabe bem o que é unir tradição com as atuais demandas de mercado, com clientes cada vez mais exigentes e participativos. No mercado desde 1952, a rede de concessionárias é a mais tradicional do segmento no Grande Recife e se mantém entre as primeiras do Nordeste no quesito revendas Volkswagen.

A tradição, que se reflete na confiança do público e se comprova no resultado da pesquisa Marcas que eu gosto, está atrelada às ações da Meira Lins nas redes sociais. Presente no Facebook e Instagram, a concessionária tem entre as iniciativas estratégicas a conversa com o cliente.

“Através das mídias sociais, chegamos até o consumidor e ele chega até nós. Temos um engajamento bem ativo nas redes e, através delas, reforçamos as vendas e a principal bandeira da rede, que é a confiança”, afirma Valeska Benjamin, gerente de Marketing da concessionária. A rede de lojas, que também oferece serviços especializados de oficina e comercialização de peças originais, destaca-se ainda na comercialização de veículos seminovos.

comentários