Alimentos

Setor cresceu 0,7% acima do PIB nacional em 2017, um crescimento cerca de 1% maior que o registrado em 2016
Setor cresceu 0,7% acima do PIB nacional em 2017, um crescimento cerca de 1% maior que o registrado em 2016Foto: Alfeu Tavares/Arquivo FolhaPE

Apesar da crise econômica, o ano de 2017 foi considerado como extraordinariamente bom para a indústria alimentícia brasileira. Segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), o setor cresceu 0,7% acima do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, com um crescimento cerca de 1% maior que o registrado em 2016. Para 2018, a expectativa também é positiva e o setor deverá fechar o exercício em crescimento.

Outro ponto de otimismo está no fato de que as estimativas apontam que, ao longo de 2017, a cesta básica ficou 7,1% mais barata, o que deve se repetir também neste ano. Segundo levantamento feito pela consultoria GFK, o preço médio do Prato Feito Caseiro - que mede a variação do tradicional PF (Prato Feito), mas calculado com base em ingredientes comprados pelo consumidor em supermercados e preparados em casa durante o mês, chegou a ficar 8,5% mais barato em janeiro, quando comparado com o mesmo período do ano anterior.

Com isso, a tendência é que o consumidor opte por levar no carrinho algum produto a mais, que pode ir desde um pacote de macarrão, um biscoito diferenciado ou até aquele molho de tomate para dar mais sabor e consistência ao prato e que até então era consumido apenas esporadicamente. Nesta direção, promoções, atendimento diferenciado, relacionamento direto com o consumidor, novos itens no portfólio e uma boa comunicação entre a marca e o cliente são pontos considerados prioritários.

MARCA SINÔNIMO DO PRODUTO

Se trabalhar um produto histórico como a farinha de milho, presente nos lares nordestinos já é uma tarefa que requer cuidado, o que não dizer de, além disso, ter uma marca que é quase um sinônimo deste produto? Nesta direção, a Asa Indústria consegue unir as duas coisas há quase 60 anos com a Vitamilho, campeã no segmento na pesquisa.

“A marca sempre primou por entregar benefícios que são claramente percebidos pelo consumidor, desde a aquisição da matéria-prima até a entrega do produto final. Além disso, também desenvolvemos um trabalho bom e constante de comunicação junto ao consumidor”, diz o diretor de Marketing e Vendas da ASA, Wagner Mendes. A marca Vitamilho possui uma participação estimada entre 35% e 40% de todo o volume de farinha de milho do Nordeste, com movimentação estimada entre 135 mil e 159 mil toneladas anuais.

“Sempre buscamos inovações. Para este ano, a linha do Flocão Vitamilho irá ganhar novos sabores. Outros produtos da empresa também seguem esta tendência como a de pipocas para micro-ondas, que também terão novos sabores ainda em 2018”, antecipa Mendes quando indagado sobre as ações que contribuem para a manutenção da marca na mente dos consumidores.

Também na área de Alimentos, a ASA teve a marca do extrato de tomate Palmeiron como a mais lembrada e querida pelos consumidores pernambucanos. “Ocupamos o segundo lugar neste segmento em todo o Nordeste, com uma participação de 19%. É uma honra. O extrato de tomate é uma presença garantida quando se fala em culinária e gastronomia. Temos tradição e qualidade. O consumidor tem a certeza que o nosso produto vai garantir o sabor que ele procura dar ao prato. Isso é algo que muito nos alegra e incentiva a buscar sempre o melhor para este cliente”, ressalta Mendes.

Segundo ele, a despeito da crise, o segmento de extrato de tomate cresce entre 6% e 7% ao ano. “Temos um bom posicionamento quanto à precificação, além de ter total controle sobre a cadeia de produção, o que nos garante qualidade e boa colocação de preço”, observa o executivo. Para cativar ainda mais o consumidor, ele destaca que a Palmeiron também vem investindo em parcerias com chefs para oferecer receitas exclusivas por meio das redes sociais e do Youtube. “Para 2018, acreditamos que a marca Palmeiron vai crescer 10%, a exemplo dos anos anteriores”, prevê.

“O IRRESISTÍVEL É PARA TODOS”
Líder absoluta no segmento de massas e biscoitos no País, a Vitarella ganhou, pela terceira vez consecutiva, o prêmio Marcas que eu gosto nas categorias Macarrão, Biscoitos Doces e Cream Cracker. A empresa, que nasceu em 1993, em Jaboatão dos Guararapes e foi incorporada pelo grupo cearense M. Dias Branco há 10 anos, é a marca líder de vendas de biscoitos no Brasil e figura em primeiro lugar no segmento de massas no Nordeste.

A estrutura operacional do grupo, composta por 12 fábricas e 29 filiais garante que a marca Vitarella esteja presente em todo o território nacional. A expectativa para o ano de 2018 é fortalecer a sua liderança nas praças onde já é líder, além de expandir as vendas para novos mercados, sobretudo nas praças de São Paulo e Rio de Janeiro.

“A Vitarella oferece várias opções de produtos que cabem em todos os bolsos. O vasto portfólio, seu caráter democrático, somado à qualidade dos produtos, confirmam a liderança da marca”, destaca a gerente de Marketing, Marina Lemos. “O novo slogan: ‘O Irresistível é para todos’, lançado no ano passado, é resultado de como os nossos consumidores enxergam a marca: entusiasmada, democrática, inclusiva e cativante. Esses conceitos guiam nossa linha de comunicação em todas as campanhas e plataformas”, diz Marina.

GAÚCHA COM A CARA DOS PERNAMBUCANOS
O fato de ser uma indústria com origem no Rio Grande do Sul não faz diferença na escolha do arroz Emoções como o mais lembrado pelos pernambucanos e vice-versa. “Para a empresa, é uma satisfação enorme receber novamente o prêmio Marcas que eu gosto e ser reconhecida como a marca mais lembrada. É uma motivação a mais para continuarmos a levar o melhor produto para o nosso consumidor”, diz o gerente comercial do grupo Nelson Wendt Alimentos, Márcio Nörnberg Jandt.

A marca, presente há mais de 30 anos no mercado pernambucano, tem no Nordeste cerca de 85% de suas vendas, o que atesta o cuidado que a empresa tem em manter uma filial industrial no Estado, empregando diretamente 40 funcionários. Esta estrutura, que também funciona como central de distribuição, atende aos mercados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. A filial pernambucana, juntamente com as unidades da Bahia e do Ceará, comercializam cerca de 7,5 mil toneladas mensais apenas no Nordeste.

“Temos uma preocupação enorme com a qualidade e isso gera confiança junto ao consumidor. Além disso, buscamos um marketing diferenciado, que vai desde a embalagem atrativa e informativa, até a ações específicas nos pontos de vendas, além de promoções voltadas para o nosso consumidor”, diz Jandt.

Nesta direção, a empresa promete uma nova ação para o seu público. Apesar de não entrar em detalhes, o executivo destaca que “alguns consumidores serão premiados por meio de uma nova ação que está sendo preparada com carinho para este público que prestigia o produto".

TODO MUNDO PODE COZINHAR
Com mais de 70 anos de história, o vinagre Minhoto, produzido pelo grupo Raymundo da Fonte, é uma das marcas mais fortes e queridas pelos pernambucanos. Com 70% de participação no mercado estadual, o vinagre Minhoto atribui o seu sucesso à tradição e qualidade do produto que chega ao consumidor. “Todos os produtos são feitos com matéria-prima de alta qualidade. Somos um dos únicos a produzir o vinagre de maçã com vinho da própria fruta e não saborizado com essência de maçã, o que garante um
produto superior do ponto de vista do sabor e funcionalidade”, detalha a responsável pelo marketing da marca, Renata Wanderley.

Apesar de o grupo possuir quatro fábricas – em Pernambuco, Bahia, Pará e Rio de Janeiro -, o vinagre é produzido apenas nas filiais de Pernambuco e Pará, que possuem capacidade para produzir até 60 milhões de litros anuais do produto, mas, ao longo de 2018, o grupo pretende investir na ampliação da capacidade produtiva e também na busca de novos mercados.

“Em 2018, a Minhoto vai buscar encorajar seus consumidores a irem para a cozinha através do conceito ‘Todo mundo pode cozinhar’. E como embaixador dessa mensagem, chamamos Lorenzo Raviol, um garoto de 15 anos que, aos 13, venceu o MasterChef Junior" antecipa Renata. O foco da campanha está centrado nas mídias digitais, incluindo vídeos tutoriais na plataforma Youtube da Minhoto.

"Além disso, vamos desenvolver um trabalho de mídia com merchans regionais reforçando o discurso através de uma comunicação localizada, personalizando a linguagem dentro de cada região. Também vamos ganhar o reforço de comunicadores nacionais como Rodrigo Faro e Ana Maria Braga”, revela a gestora de Marketing.

DOCES COMO CARRO-CHEFE
Pernambuco vem de uma longa tradição de doces desde o período colonial. Detentora de uma marca familiar há 57 anos, a Tambaú é a preferida pelos pernambucanos no seguimento doce de goiaba. “A marca é associada à tradição, e isso transmite a imagem e a percepção de uma empresa séria, preocupada com seus clientes e consumidores”, diz o presidente da Tambaú Alimentos, Hugo Gonçalves. Apesar de produzir mais de 100 itens em seu portfólio, que incluem atomatados e uma nova linha de ketchups, o segmento de doces é o carro-chefe da empresa.

Segundo Gonçalves, os doces representam 1/3 do negócio da empresa que atua em todo o Norte e Nordeste e a goiabada representa 2/3 do segmento. Considerando todas as linhas da empresa, são produzidas cerca de 3,5 mil toneladas mensais dos mais diversos produtos, que garantem um faturamento previsto para este ano de cerca de R$ 150 milhões. “Nos últimos três anos, apesar da recessão da economia, crescemos cerca de 10% ao ano. A crise dos últimos anos acabou favorecendo as empresas regionais que, graças a um melhor preço e qualidade, ganharam espaço sobre as grandes marcas", analisa.

Para fidelizar ainda mais seus consumidores, a Tambaú vem ampliando o investimento em marketing, o que inclui ações institucionais na área de esportes, como futebol e pedestrianismo. A empresa também está patrocinando programas de culinária e desenvolvendo ações próprias nas redes sociais.

EXPANDINDO ÁREA DE ATUAÇÃO
Presente em toda Região Metropolitana do Recife, Agreste e Zona da Mata Norte de Pernambuco, o Feijão Turquesa, vencedor na categoria, com 24 anos de mercado, é visto pelo consumidor como sinônimo de qualidade e, justamente por isso, é mais uma vez o preferido pelos pernambucanos.

“Seguimos um padrão rígido, desde a escolha da matéria-prima entre as melhores safras do País, até o produto final. Criamos uma relação de confiança de 24 anos com nossa marca”, avalia o diretor-presidente da Oásis Alimentos, grupo responsável pela marca de feijão Turquesa, Railson Benjamin.

A marca, que tem planos de expansão também para o Sertão pernambucano, é encontrada nas prateleiras de outros sete estados (PB, AL, RN, CE, SE, PI, e MA). Com a conclusão da construção de uma nova unidade fabril, a expectativa de crescimento é de 25% da marca no mercado a partir de 2019.

“Também está sendo implementado na unidade atual (em Paratibe, Paulista) um novo layout de recebimento e armazenamento, além da substituição de alguns equipamentos na parte de beneficiamento e empacotamento. O objetivo é aumentar a produtividade e propiciar ainda mais controle de qualidade”, adianta Benjamin, que acrescenta: “Investimos também na contratação e qualificação dos nossos colaboradores, com treinamentos para cada área".

Produção de alimentos teve participação de 10% do PIB brasileiro em 2016
Produção de alimentos teve participação de 10% do PIB brasileiro em 2016Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

A produção de alimentos move uma importante indústria, cuja participação no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, no ano passado, foi de 10% (R$ 614,3 bilhões), de acordo com levantamento da Associação Brasileira das Indústrias Alimentícias (Abia). Para este ano, a entidade projeta um crescimento de até 1,2% na produção, seguido pelo incremento de 1,5% nas vendas reais.
  
O desempenho do último trimestre, encerrado em junho deste ano, leva a crer nos prognósticos, uma vez que, no período, a criação de 375 mil novos postos de trabalho na indústria foi puxada pelo segmento, segundo análise da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É dentro desse setor de relevo da produção nacional que os quatro parques industriais, localizados em Pernambuco e na Paraíba, da ASA Indústria estão inseridos. As unidades beneficiam os cerca de 250 produtos do catálogo da empresa, distribuídos para todo o Brasil, entre os quais estão vários destaques do Marcas que eu gosto 2017.

O primeiro deles é o Vitamilho, que levou o primeiro lugar na categoria Farinha de Milho. “A marca é percebida como a de maior qualidade na linha de produtos de milho”, destaca Wagner Mendes, diretor Comercial e de Marketing da ASA. Além da farinha de milho para o tradicional cuscuz, um dos pratos preferidos dos pernambucanos, atualmente, a linha de produtos da marca inclui farinha de milho pré-cozida, flocão de arroz, misturas de bolo, amido de milho, mungunzá, canjiquinha, pipocas e temperos.

Outra marca de sucesso da ASA entre os produtos alimentícios é a Palmeiron, vencedora da categoria Extrato de Tomate. “Nossa satisfação é sentir o consumidor referendar nossos esforços em fazer o melhor para o mercado. Essa conquista é fruto de muito trabalho, que utiliza gestão profissional e ferramentas de marketing e de comunicação”, considera Mendes. Além disso, ele destaca o comprometimento da empresa com a sustentabilidade. O programa "Mundo Limpo. Vida Melhor", desenvolvido pela empresa para coleta e reaproveitamento de óleo de fritura, já reciclou 5,5 milhões de litros do resíduo, ajudando a preservar cerca de 110 bilhões de litros de água.

Massas e biscoitos campeões
Líder no segmento de massas e biscoitos no Brasil, a Vitarella faturou, por mais um ano, os prêmios das categorias Cream Cracker, Biscoito Doce e Macarrão do Marcas que eu gosto. A empresa pertence ao Grupo M. Dias Branco, que está presente em todo o País e também levou os segundos lugares das categorias Macarrão e Cream Cracker, e o terceiro lugar na categoria Biscoito Doce, com a marca Pilar.

Com uma fábrica em Jaboatão dos Guararapes, a Vitatella tem mais de 150 itens em seu portfólio. São produtos que fazem parte do dia a dia dos pernambucanos, ressalta a gerente de Marketing, Marina Lemos. “O mix amplo tem nos ajudado a manter o desempenho de vendas, porque há opções para todos os bolsos, como a cream cracker, que já é item de consumo diário das famílias”, destaca.

Líder de mercado no Nordeste, a Vitarella continua inovando. “Apostamos em novas embalagens, inclusive para a cracker. Além disso, temos fortalecido a nossa relação com os consumidores em campanhas e nos meios digitais”, frisa Marina.

Rótulo inteligente

Líder absoluto na categoria de vinagre, o Minhoto, produzido pelo Grupo Raymundo da Fonte, tem seu beneficiamento dividido entre Pernambuco e Pará. Somando as duas plantas industriais, são produzidos 70 milhões de litros de vinagre por ano. Embora seja uma marca consolidada, a empresa segue investindo em campanhas publicitárias e nos pontos de venda, inclusive com premiações aos consumidores para estimular as compras.

“Receber este prêmio é mais um reconhecimento da qualidade de nossos produtos, do foco de atendimento ao nosso consumidor (donas de casa e colaboradoras), do trabalho nos pontos de venda e na propaganda com orientações sobre os benefícios e uso correto dos nossos produtos”, argumenta o diretor comercial Romero Longman.

Ele antecipa mais uma novidade para estreitar as relações com os clientes e, assim, movimentar as vendas. “Em breve teremos a implantação de um rótulo inteligente no vinagre de maçã com a tecnologia do QR Code. Essa mudança vai possibilitar uma aproximação maior com os nossos consumidores através de informações e dicas sobre o nosso produto”, completa.

Da lavoura ao prato

O cuidado com o produto começa muito antes do beneficiamento, no caso do da marca Turquesa, vencedora na categoria Feijão. Ainda no campo, a seleção da matéria-prima e dos grãos garante a entrega de um produto com maior rendimento e cozimento mais rápido ao consumidor, tudo isso com qualidade, defende Railson Benjamim, empresário do grupo Oásis Alimentos, responsável pelo Feijão Turquesa.

“Para a Turquesa, ser lembrada pelo público pernambucano é uma forma de reconhecimento e compromisso que assumimos há 23 anos. O Prêmio nos incentiva a investir e buscar meios de superar cada vez mais as expectativas do nosso público daqui para a frente”, avalia Benjamim. Atualmente a planta industrial está situada em Paratibe, Paulista, em Pernambuco. A marca, contudo, está presente em sete estados. Em épocas de retração do consumo, a qualidade faz a diferença.

Leia também:
Estudo faz mapeamento dos hábitos dos consumidores
Foco e estratégia como receita de sucesso


“Como nossa proposta vem de oferecer qualidade, nossos clientes entendem que os benefícios de escolher o nosso produto são maiores. Esse fator acaba fortalecendo a Turquesa em épocas onde os consumidores vão de fato para a ponta do lápis sobre as decisões de compra. É onde o nosso produto sai na frente, pela economia de gás e de tempo”.

Marca gaúcha, coração nordestino

Vencedor na categoria Arroz, a marca Emoções é produzida pelo grupo Nelson Wendt Alimentos, com sede no Rio Grande do Sul. “Nossa empresa é gaúcha, mas o nosso coração é nordestino”, assegura o gerente de Marketing e Vendas, Márcio Nörnberg Jandt.

Na Região, a empresa mantém filiais em Salvador, Fortaleza e no Recife, onde mantém uma unidade de beneficiamento e empacotamento com 40 funcionários. Este ano, um novo centro de distribuição começou a ser construído no Ceará.

"A preferência do público é resultado da entrega de um produto com qualidade, sabor e preço justo", avalia o executivo. “Além disso, procuramos nos manter próximos dos nossos consumidores através das nossas redes sociais, site de receitas exclusivas e ações de relacionamento”, frisa.