Saúde e Bem-Estar

Rafael Coelho

ver colunas anteriores
Rafael Coelho, e-mail: contato@rafaelcoelho.med.br | Instagram: @drrafaelcoelho | Facebook: /rafaelcoelho
Rafael Coelho, e-mail: contato@rafaelcoelho.med.br | Instagram: @drrafaelcoelho | Facebook: /rafaelcoelhoFoto: Folha de Pernambuco

Olá leitores e internautas que acompanham a coluna de Saúde e Bem-Estar.

Está chegando a Páscoa, um período bem tradicional que tem a sua carga religiosa bem estabelecida antes de tudo, mas que também se movimenta no consumo de um produto bastante cobiçado que é o chocolate, na forma de Ovo de Páscoa. Assim, é importante que eu fale para vocês sobre o uso dele. Muita gente tem dúvidas sobre que tipo de chocolate pode ser consumido com “menor culpa”.

Antes de qualquer coisa, é preciso entender das propriedades de um alimento que deu origem ao chocolate: o cacau. Esta fruta americana é rica em substâncias muito importantes para a saúde, sendo rica em flavonoides e poderosos antioxidantes. Ele melhora a microbiota intestinal (assunto muito debatido por mim em outras oportunidades), favorecendo a formação de bactérias benéficas do nosso intestino, que por conseguinte hidrolisam de forma mais eficaz o próprio cacau, sendo melhor absorvido pelo intestino (ação bidirecional).

Leia também
A relação entre os Antidiabéticos e o Emagrecimento
Musculação e a população idosa

Além disso, o uso do cacau pode diminuir episódios de diarreia em pessoas imunocomprometidas (imunidade baixa) e que fazem uso de medicamentos rotineiros. O cacau está relacionado a prevenção do envelhecimento precoce, pelo “pool” de antioxidantes capaz de controlar o excesso de radicais livres produzidos pela inflamação por excesso de metais pesados da poluição do meio ambiente e alimentos contaminados.

Dessa maneira, na hora que desejar escolher o seu chocolate, pense que nele deve conter alguma quantidade deste alimento funcional. Apesar do chocolate ter a sua origem no cacau, nem todos eles o levam em sua composição. Os chocolates maia ricos em cacau são os mais funcionais, que também não contém aditivos químicos e gorduras “trans”. O seu açúcar geralmente são os naturais, como de coco. Geralmente, esses chocolates são amargos, com mais de 50% de cacau em sua composição e assim menos leite.

Se optar por chocolates tipo branco, deve lembrar que não tem os nutrientes benéficos do cacau, pois nele só se utiliza na produção a manteiga de cacau, rica em gorduras vegetais e os antioxidantes estão na parte escura da fruta. Aproveito a oportunidade para desejar as leitoras e leitores uma Feliz Páscoa. Essa foi a dica de hoje. Siga-me nas redes sociais e fique sempre atualizado com informações sobre saúde e bem-estar. Obrigado e até o próximo encontro.

E-mail: contato@rafaelcoelho.med.br
Instagram: @rafaelcoelhomed
Facebook: /rafaelcoelhomed

* Rafael Coelho (CRM: 23943/PE) é médico pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) e atualização em Prática Ortomolecular. Atende em consultório particular na Clínica de Estética Contornare, no Recife. Atua nas seguintes áreas: Performance Esportiva, Distúrbios Metabólicos, Emagrecimento, Hipertrofia, Longevidade, Bioimpedância. É Diretor da Comissão de Saúde e Performance da Federação Estadual de Fisiculturismo (IFBB-PE).

* A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: