Saúde e Bem-Estar

Rafael Coelho

ver colunas anteriores
Rótulo de biscoito
Rótulo de biscoitoFoto: Folha de Pernambuco

Olá, leitores e internautas que acompanham a coluna de Saúde e Bem-Estar

Muitas pessoas têm o hábito de ler os rótulos dos alimentos antes de comprá-los. Você está acostumado com esta prática?  Pois bem, antes de tudo é preciso saber o que seria rótulo de alimentos. Será que é tudo aquilo que está escrito na embalagem?

A legislação brasileira define rótulo como toda inscrição, legenda ou imagem ou ainda toda matéria descritiva ou gráfica estampado na embalagem dos alimentos. Tais informações têm o objetivo de identificar-se a origem, a composição e as características nutricionais daquele produto. Sendo assim, ele é muito importante quando se trata de saúde pública. Se ele orienta sobre a qualidade e quantidade dos nutrientes naquele alimento, pode promover escolhas mais apropriadas a promoção de saúde. Então é imprescindível que aquelas informações sejam fidedignas. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é o órgão responsável pela fiscalização disto.

Muitas pessoas se atraem para ler as informações por motivos variados. De acordo com um estudo brasileiro, 43% dos entrevistados buscam nas embalagens informações sobre benefícios para a saúde. Infelizmente, segundo outros estudos, boa parte dos entrevistados apesar de lerem as informações nutricionais, utilizam de qualquer forma por desconhecimento do que aquilo significa. Por isso medidas de educação alimentar podem ser uma alternativa para melhores escolhas.

Segundo outro estudo, fica evidente que é significativo o número de produtos para fins especiais, como os “diet” não seguem as normas da legislação, sendo necessário uma maior fiscalização da Anvisa. Isso confirma que devemos também ao ler as informações escolher produtos com menor conteúdo persuasivo. O direito do consumidor de escolha alimentar que seja mais adequada ao seu estilo de vida e saúde está assegurado pelo um amplo arcabouço legal. Porém, instrumentalizar os consumidores para que eles próprios possam exercer a sua vigilância sobre aquilo que compram é muito importante, afinal, aquele alimento irá gerar reações químicas importantes em seu organismo, o que trará benefícios à saúde ou doenças.

Essa foi a dica de hoje. Siga-me nas redes sociais e fique sempre atualizado com informações sobre saúde e bem-estar. Obrigado e até o próximo encontro.

E-mail: contato@rafaelcoelho.med.br
Instagram: @rafaelcoelhomed
Facebook: /rafaelcoelhomed

* Rafael Coelho (CRM: 23943/PE) é médico pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (Abran) e atualização em Prática Ortomolecular. Atende em consultório particular na Clínica de Estética Contornare, no Recife. Atua nas seguintes áreas: Performance Esportiva, Distúrbios Metabólicos, Emagrecimento, Hipertrofia, Longevidade, Bioimpedância. É Diretor da Comissão de Saúde e Performance da Federação Estadual de Fisiculturismo (IFBB-PE).

* A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas

veja também

comentários

comece o dia bem informado: