Fernanda Dubeux
Fernanda DubeuxFoto: Divulgação

Fernanda Dubeux, secretária executiva na pasta de Micro e Pequenas Empresas, Trabalho e Qualificação do Governo de Pernambuco, é a convidada desta quarta-feira (4) da coluna Sucesso, uma parceria do Portal FolhaPE com o Sucesso.site, de Felipe, Eduarda e Camila Haeckel.

Vivemos tempos em que empreender vem sendo um caminho perseguido por muitos. Durante o ano de 2017, mais de um milhão de pessoas passaram a desempenhar atividades autônomas de maneira formal ou informal**. É fato, seja por conta da crise econômica, seja por conta dos avanços tecnológicos, postos de trabalho são extintos e atividades deixam de existir diariamente.

Quando abrir o próprio negócio é um caminho, seja por opção ou até mesmo por necessidade, imediatamente, pode vir o seguinte questionamento mental; “Mas como? Existe uma trilha, um roteiro a seguir?” Respondo dizendo que resolver problemas é uma característica do empreendedor nato. Cada empresa terá a sua própria história, potencialidades e dificuldades geralmente intrinsecamente ligadas às características do gestor ou gestores.

De forma sintetizada, vamos elencar os principais estágios a serem percorridos para o surgimento de um negócio.

Aceita o desafio? Está disposto a trabalhar muito mais do que 44h semanais e correr riscos (ainda que calculados)? É proativo e persistente? Possui inteligência emocional, habilidade em liderar pessoas e planejar? Se este definitivamente não é você, mas mesmo assim seu desejo é empreender, com certeza absoluta, antes de mais nada, você precisa desenvolver ao menos alguns dos comportamentos acima citados ou procure um sócio que te complemente.

A oportunidade. O objetivo que você persegue é a geração de renda, o que só ocorrerá se houver mercado e você precisa conhecê-lo, estudá-lo. Uma boa sacada é a possibilidade de criar/adaptar um produto ou serviço. Com inovação e criatividade é possível antecipar a demanda e conquistar de forma pioneira todo um público até então desassistido. E de forma geral, a dica é dar preferência a negócios que de alguma maneira façam parte do seu universo. Empreender em atividades que naturalmente nos despertam interesse pode ser um grande diferencial. Afinal, você passará muitas horas do seu dia útil e do seu fim de semana trabalhando ou no mínimo, pensando no seu negócio.

Planejamento. Aqui reside o coração da empreitada. Muitos negócios consumem bastante recurso por pura falta de planejamento. Se for preciso, vale a pena buscar o apoio de profissionais especializados. Economizar nesta etapa pode ser o barato que sai caro, muito caro. Este é o momento em que você faz uma verdadeira imersão no seu futuro negócio. Então, trace a sua proposta de valor que em breves palavras é o que diferencia o seu produto ou serviço, as razões pelas quais o consumidor optará por escolhê-lo em detrimento da concorrência, tem cunho subjetivo e emocional e está intrinsecamente ligado ao seu público alvo (A definição deste é ponto elementar para a continuidade do seu planejamento, em tese, quando mais nichado melhor).

Você também precisará definir seus canais de venda; o seu modelo de negócios necessita de um ponto fixo? Pode ser alavancado por este? Você terá um e-commerce? Terá quais redes sociais? Haverá parcerias com segmentos aglutinadores? E Também será preciso pensar no investimento. Será com recursos próprios? Existirá um sócio? Um investidor? Será via financiamento bancário?

Capacitação. Detendo pouco ou muito conhecimento da área em que irá atuar, sempre temos muito, mas muito mais a apreender. Busque os mais recentes conhecimentos técnicos e gerenciais. Vale fazer cursos, participar de seminários, palestras, oficinas, dentre outros. E lembre-se, buscar qualificação para o gestor e também para a equipe deve ser uma atividade constante e não apenas fazer parte do ponto de partida

Formalize-se. O seu empreendimento precisa está regular, o ponto de partida é a constituição da própria empresa. Você poderá abrir um MEI, tipo jurídico que de forma geral permite o faturamento anual de até R$ 81.000,00 e a contratação de um funcionário. Se você acredita que já no primeiro ano faturará um montante superior, poderá abrir uma empresa individual. Caso você tenha sócios, deve abrir uma empresa do tipo sociedade limitada. (Faturando até R$ 4.800.0000,00 por ano, você poderá enquadrar sua empresa como ME ou EPP e optar pelo regime de tributação do Simples Nacional

Esteja em rede. Busque fazer parte de uma associação, de grupos de empresários, dentre outros. Isto importa e importa muito. Você precisará de muitas conexões que podem ser obtidas via networking.

Vá à luta. Mergulhe no universo do empreendedorismo e respire fundo quando você pensar em jogar tudo para o alto! É bem possível que esta idéia passe muitas vezes pela sua cabeça. Se você amar e acreditar no que faz, os problemas serão uma chuva. Às vezes até uma tempestade com muitos raios e trovões, honestamente falando. E é neste momento que você vai ter que ser mais empreendedor do que nunca. Lembra do começo do texto, “resolver problemas é uma característica nata do empreendedor”? Todo problema tem solução, mas é preciso estar disposto a mudar, a se adaptar a reaprender, a escutar todos, inclusive, o mais simples dos seus colaboradores que tantas vezes nos apontam o caminho. Por fim, lide bem com as pessoas. Este será o seu maior ativo, a sua maior parceria. Trabalhe para que a sua equipe vista a camisa. Conheça o seu cliente, faça com que ele crie laços afetivos com a sua marca. E por fim, desejo que você tenha boa estratégia e boa sorte!

** Fonte: Pnad Contínua/Dez 2018

Perfil
Versatilidade é uma das características mais fortes de Fernanda Dubeux. Formada em Direito e pós graduada em Direito Público, Fernanda atua em diversas áreas com competência, talento e determinação. Aos 22 anos foi candidata a vereadora obtendo 4.772 votos. Em seguida, aos 23 anos, tornou-se coordenadora da junta comercial de Pernambuco, chefiando uma equipe de cinquenta pessoas. Posteriormente, tornou-se gerente geral da prefeitura do recife. Atualmente, ocupa o cargo de secretária executiva do estado de Pernambuco na pasta de micro e pequenas empresas, trabalho e qualificação. Apesar de uma agenda atribulada, em função do serviço público, Fernanda é uma das idealizadoras da marca Verde Jóias, que é especialista em eternizar momentos a partir da transformação de matérias primas naturais, como flores, folhas, conchas ou qualquer outro elemento que o cliente sonhar. Em 2014, criou uma coleção chamada ? Mulher rendeira?, na qual transformava a renda em jóias. Com esta iniciativa, além de ajudar as cooperativas de mulheres rendeiras espalhadas pelo estado, ganhou o prêmio Hotspot de criatividade e foi convidada a expor suas peças no São Paulo Fashion Week.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: