Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
O pernambucano Bruno Araújo entregou o seu cargo no ministério das Cidades
O pernambucano Bruno Araújo entregou o seu cargo no ministério das CidadesFoto: George Gianni/Divulgação

Será na Arcádia Paço Alfândega o grande ato que a oposição prepara, como a coluna antecipou no último dia 15 de novembro, para o início de dezembro. Marcado para o próximo dia 11, o encontro temático sobre Segurança reunirá especialistas do setor e, dele, deverá sair uma carta aberta à sociedade. O documento está sendo costurado por essas lideranças, que se opõem ao governo Paulo Câmara. Nos últimos dias, teses de mais de uma candidatura desse conjunto foram lançadas. No entanto, o entendimento que já predomina nos bastidores é o de que uma divisão tornaria esse time menos competitivo. O presidente estadual do PSDB, Bruno Araújo, à coluna, adianta que a chance de sair mais de uma alternativa para o Governo do Estado desse campo é "zero". O tucano é enfático: "Não há chance de racharmos. A unidade nos move". Nas coxias, lideranças do grupo já admitem que as alternativas que vêm sendo apresentadas preenchem espaço nesse xadrez no atual momento, mas, na prática, será inviável ter mais de um nome do conjunto encabeçando chapa. Entre os que figuram no páreo, estão, por exemplo, os senadores Fernando Bezerra Coelho e Armando Monteiro Neto, além do próprio Bruno e do ex-prefeito Elias Gomes. Entre o petebista e o PT ainda restam pontes. Mas o que se avalia é que caso Lula seja candidato ao Planalto, a tendência seria de o PT compor com o PSB. Se Lula não for candidato, a possibilidade de candidatura própria do PT cresce em função dos planos da sigla de eleger proporcionais. E Armando não pode ficar esperando o "timing" do PT, o que o faz estreitar a relação com o DEM, o PSDB e lideranças desse grupo, que, a partir do dia 11, deve inaugurar nova etapa nas articulações.

Mantendo pontes
Além de Rodrigo Maia, as pontes do governador Paulo Câmara com o DEM passam por Roberto Magalhães, que almoçou no Palácio das Princesas na segunda-feira. O convite se deu porque o chefe do executivo estadual não pôde prestigiar a homenagem que o ex-governador recebeu na Alepe na quarta-feira.

Agora vai! > Na segunda-feira, Paulo Câmara tem audiência com o novo ministro das Cidades, Alexandre Baldy. Segundo palacianos, a agenda visa a destravar questões. Entre auxiliares do governador, fala-se que "o ministro anterior deixou muitos anúncios e nada concreto". Referem-se a Bruno Araújo.

Radar >
Túlio Gadêlha, que tomou posse, ontem, no Iterpe, como a coluna publicou em primeira mão que ocorreria, tem tido nome ventilado por pessoas próximas para concorrer a federal.

Chapinha > Presidente do PSB-PE, Sileno Guedes avalia como "natural nessa época os partidos tentarem se organizar". Pondera: "O PSB tem mais deputados. É natural, nesse primeiro momento, se buscar facilitar a eleição dentro de cada partido". Refere-se à formação de uma chapinha para federal fechada por partidos da base aliada, como a coluna cantou a pedra.

Da coisa pública > O prefácio do livro que Valdecir Pascoal lança na segunda-feira (4) é assinado pelo ex-ministro do STF, Carlos Ayres Britto, que, sobre o autor, assinala: "Alguém fora da caixa - como se diz recorrentemente -, a publicar um livro que não é senão o retrato falado do seu autor: ‘Uma Nova Primavera para os Tribunais de Contas’ ".

Férias >
A partir de hoje, estarei em período de férias até o fim de dezembro. Retorno no início de janeiro. Agradeço a atenção, colaboração e paciência de todos. Até a volta!

veja também

comentários

comece o dia bem informado: