Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
Cristiano Pimentel
Cristiano PimentelFoto: Mandy Oliver/Folha de Pernambuco

A sociedade reagiu mal e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acabou verbalizando críticas à flexibilização da "regra de ouro". "Não gosto da proposta, não aprovo", considerou o auxiliar de Michel Temer. Diante da postura do ministro, o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, orientou o deputado federal Pedro Paulo a abandonar o trabalho em torno do referido tema no texto da PEC do Orçamento. Ainda no início da madrugada da segunda-feira, Maia havia defendido a flexibilização da chamada "regra de ouro" em entrevista ao Canal Livre, da TV Bandeirantes. Ele e Pedro Paulo não escondiam que vinham debatendo o tema com a equipe econômica. Mas, ontem, a ideia terminou sem pai.

O Planalto nega o patrocínio da mesma e Meirelles puxou o freio do debate, ainda que ele e Maia viessem atuando em conjunto na flexibilização da regra que, prevista na Constituição, impede a emissão de dívida pelo governo para o pagamento de despesas correntes, como salários e conta de luz, por exemplo. Do Ministério Público de Contas, Cristiano Pimentel avalia que a "quebra da regra de ouro seria o maior atentado à boa gestão fiscal desde a edição da Lei de Respondabilidade Fiscal em 2000". E adverte: "Estamos vivendo um momento de aviltamento da responsabilidade fiscal e este passo, de liberar fazer dívidas para pagar despesas correntes, como folha de pessoal, seria o fundo do poço". O recuo do governo sinaliza ainda para a falta de força para aprovar a medida, que, diante das reações, acabou abandonada e orfã.

Vai ter resistência

Procurador do Ministério Público de Contas, Júlio Marcelo já havia classificado o seguinte: "Suspender a regra de ouro é quebrar o termômetro da febre". Caso o projeto de quebra da "regra de ouro" seja retomado, os procuradores e auditores dos tribunais de contas irão se insurgir, através de suas associações.

Procuradora 1 > Germana Laureano foi nomeada pelo governador Paulo Câmara, ontem, como nova procuradora geral do Ministério Público de Contas de Pernambuco. A procuradora de carreira foi eleita por seus pares por unanimidade. A eleição também deu-se, ontem, pela manhã.

Procuradora 2 > "O foco do MPCO, principalmente neste ano eleitoral, é o combate à corrupção", avisou Germana.

Reverência>
Em outra homenagem a Armando Monteiro Filho, políticos de várias correntes voltaram se reunir, ontem, na Igreja Madre de Deus, por ocasião da missa de sétimo dia. O ministro Mendonça Filho, o ex-prefeito João Paulo, o deputado Tadeu Alencar e o ministro José Múcio Monteiro estavam entre os que enalteceram a memória do ex-ministro.

Toquinho 1 >
O empresário Jorge Petribu, que já teve nome ventilado para figurar na disputa eleitoral deste ano, reuniu de ministro a deputado em sua casa, em Toquinho, no último sábado. Presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, que anunciou recentemente a filiação de Jair Bolsonaro, estava entre os presentes.

Toquinho 2 >
Além de Bivar, nas rodas de conversas, figuravam o ministro da Defesa, Raul Jungmann, o deputado Jarbas Vasconcelos, o vice-governador Raul Henry, o deputado estadual Rodrigo Novaes, além de Guilherme Coelho e empresários.

Passaporte > Presidente estadual do PP, o deputado federal Eduardo da Fonte não estará na posse do novo administrador de Fernando de Noronha, Plínio Pimentel, na sexta-feira. Retorna do exterior na próxima segunda.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: