Estudante de jornalismo foi agredido por um desconhecido de moto
Estudante de jornalismo foi agredido por um desconhecido de motoFoto: Paullo Allmeida/Folha de Perambuco

O caso da servidora pública Paula Pinheiro Ramos Pessoa Guerra não foi o último e as situações de violência que se espalham pelo país estão longe de ser isoladas. Na noite desta quinta-feira (11), um estagiário da Folha de Pernambuco foi agredido por um homem enquanto caminhava pelo Marco Zero, no Bairro do Recife.

O estudante registrou um boletim de ocorrência na delegacia de Boa Viagem. Apesar de não ter mencionado um candidato ou partido político na ocasião, a vítima acredita que a agressão foi praticada por um eleitor "da pessoa que propaga esse tipo de discurso". Na delegacia, por se tratar da equipe de plantão, os policiais não souberam relatar outros casos e não deram declarações.

Leia também:
Produtora no Recife conta que foi espancada por mulher após criticar Bolsonaro


"Passa um cara na moto, no meio no trânsito, e dá uma leve freada. Eu pensei que fosse para eu passar, mas na verdade foi para ele passar e dar tapa na minha cabeça. Ele falou: 'essa raça vai acabar, viu?' em tom bom incisivo. Isso me deixou muito preocupado", explica. "Eu acho que foi pelo fato de eu estar andando 'afeminado'. Eu fui vítima de homofobia. Preconceito dele porque eu dou a entender que sou homossexual", completou.

Após prestar queixa, o estudante declarou que espera que as providências sejam tomadas e que as pessoas "que atuam dessa forma não fiquem impunes, porque esse tipo de discurso não é condizente com a democracia que a gente vive". No local da agressão existem câmaras de segurança que podem ser avaliadas posteriormente para auxiliar na identificação do agressor. "A partir de hoje eu não vou andar mais só. Seu eu andava, hoje não ando mais", finalizou.

De acordo com um levantamento inédito feito pela Agência de Jornalismo Investigativo Publica, em parceria com a Open Knowledge Brasil, ocorreram pelo menos 70 ataques nos últimos 10 dias no país. A maioria partiu de apoiadores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), 50 deles. Por outro lado, seus eleitores ou pessoas relacionadas ao militar da reserva receberam seis ataques. Além disso, 15 agressões de situação indefinidas foram contabilizadas. Entre os episódios registrados pela Publica, 14 aconteceram na região Sul, 33 na região Sudeste, 18 na região Nordeste, três na Centro-Oeste e três na região Norte.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: